Diário "i" nas bancas britânicas a partir de 26 de Outubro

Um novo diário chamado "i", de leitura rápida e baixo preço, vai ser lançado nas bancas de jornais britânicas na próxima semana entre segunda e sexta-feira.

Por trás do lançamento do "primeiro jornal de qualidade em quase 25 anos" está o grupo que também edita o matutino Independent.

"O i é direccionado aos leitores ávidos de jornais de qualidade, e aqueles de todas as idades que querem um resumo completo das notícias em forma impressa", anunciou o grupo na segunda feira.

O jornal, segundo um texto publicado no Independent, "irá juntar inteligência à brevidade, e profundidade à rapidez de leitura, providenciando uma informação diária básica".

O director será Simon Kelner, o mesmo da publicação mãe, e o preço apenas 20 pence (23 cêntimos), um quinto do preço do Independent, que custa uma libra nos dias de semana (1,14 euros).

O Independent é, desde Março, propriedade do milionário russo Alexandre Lebedev, que comprou o título aos donos irlandeses pelo preço simbólico de uma libra.

Três meses antes, em Janeiro, ex-agente do KGB tinha adquirido o Evening Standard, o único vespertino britânico, que poucas semanas depois passou a ser distribuído gratuitamente.

O Independent é, dos cinco diários britânicos de referência - Daily Telegraph, The Times, Financial Times, The Guardian e Independent - aquele com o número de vendas mais baixo, cerca de 182,8 mil em Setembro.

O The Sun continua a ser o diário que mais vende no país, perto de três milhões de jornais, com um preço de capa que vai agora ser igualado pelo "i".

O director executivo do grupo, Andrew Mullins, invocou o declínio na circulação de jornais e o aumento do fosso de idades dos leitores de jornais para lançar este novo formato.

"Os leitores de jornais com falta de tempo, e especialmente os que viajam entre casa e o emprego, têm-nos dito há anos que são inundados com informação e que não têm tempo para ler um jornal de qualidade regularmente", explicou.

O "i", profetizou, é um "jornal para o século XXI".

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.