Trabalhadores da RTP exigem reposição dos cortes devido ao salário dos administradores

Gonçalo Reis vai auferir uma remuneração mensal de 10.000 euros e Nuno Artur Silva de 7.390,29 euros, sem despesas de representação.

A comissão de trabalhadores da RTP exigiu hoje a reposição de todos os cortes salariais, depois da "exceção salarial" para o novo presidente do Conselho de Administração da televisão pública, Gonçalo Reis, que vai auferir 10 mil euros.

"Entende a CT que, querendo certamente o Conselho de Administração ser um bom exemplo, chegou o momento em que os trabalhadores da RTP têm o direito de exigir, no mínimo, a reposição de todos os cortes salariais", refere a comissão de trabalhadores (CT) da televisão pública, em comunicado.

Segundo um diploma publicado no Diário da República, o novo presidente do conselho de administração da RTP vai ganhar 10.000 euros por mês, um valor superior ao do seu antecessor no cargo, Alberto da Ponte.

A CT relembra que os trabalhadores da RTP têm sofrido os cortes salariais aplicados à função pública e nunca foram abrangidos por qualquer exceção.

"Não sabemos se o melhor exemplo deve vir 'de cima' ou 'de baixo', mas bastará aos elementos do CA tentarem por um momento colocar-se no lugar dos que trabalham na RTP para perceberem que a situação criada - a manter-se - não é um exemplo motivador para coisa nenhuma", adianta o comunicado da CT.

A comissão de trabalhadores da RTP diz ainda que "um CA que admite retribuir-se com o nível de salários que consta do despacho da secretária de Estado do Tesouro, certamente que verificou a saúde orçamental da empresa e está disposta a rever a situação salarial dos trabalhadores".

Também os sindicatos dos funcionários da RTP criticaram, na sexta-feira, a "exceção salarial" para o novo presidente do CA da televisão pública e pediram "moral, bom senso e competência".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.