Nuno Artur Silva proposto para administrador da área de conteúdos da RTP; Gonçalo Reis para presidente

Conselho Geral Independente da televisão pública propõe ao Governo estas alternativas para suceder a Alberto da Ponte.

De acordo com o Económico, o Conselho Geral Independente da RTP propõe o nome de Gonçalo Reis para presidente da RTP e o de Nuno Artur Silva para administrador para a área dos conteúdos.

Na proposta a ser entregue ao ministro dos Assuntos Parlamentares, Poiares Maduro, fica a faltar um nomeado para administrador financeiro.

"O nome do vogal do Conselho de Administração responsável pela área financeira será tornado público após parecer, prévio e vinculativo, do membro do Governo responsável pela área das Finanças", confirmou, ao início da noite, o CGI em comunicado.

"O CGI acordará com o futuro Conselho de Administração da RTP o Projecto Estratégico para o respectivo mandato", conclui o órgão supervisor da RTP liderado por António Feijó.

Segundo o site do Económico, Gonçalo Reis já esteve na RTP entre 2002 e 2007 (no consulado de Almerindo Marques), ano em que foi para a Estradas de Portugal.

Se este assumir a presidência da RTP, o seu irmão, Pedro Reis, que lidera a Plataforma de Media Privados, que congrega a Impresa, Media Capital, Cofina, Controlinveste e grupo Renascença, abandona este cargo.

"Naturalmente abandonarei de imediato as funções que atualmente exerço em 'part time' na Plataforma de Media Privados por uma questão de princípio e de deontologia que muito prezo", afirmou o antigo presidente da AICEP - Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal.

Nuno Artur Silva, moderador do programa Eixo do Mal, da da SIC Notícias, é também diretor-geral das Produções Fictícias e do canal Q.

O Conselho Geral Independente da RTP propôs, no início de dezembro, a destituição da administração liderada por Alberto da Ponte, depois do chumbo à segunda versão do Projeto estratégico para a empresa para 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.