Nuno Artur Silva proposto para administrador da área de conteúdos da RTP; Gonçalo Reis para presidente

Conselho Geral Independente da televisão pública propõe ao Governo estas alternativas para suceder a Alberto da Ponte.

De acordo com o Económico, o Conselho Geral Independente da RTP propõe o nome de Gonçalo Reis para presidente da RTP e o de Nuno Artur Silva para administrador para a área dos conteúdos.

Na proposta a ser entregue ao ministro dos Assuntos Parlamentares, Poiares Maduro, fica a faltar um nomeado para administrador financeiro.

"O nome do vogal do Conselho de Administração responsável pela área financeira será tornado público após parecer, prévio e vinculativo, do membro do Governo responsável pela área das Finanças", confirmou, ao início da noite, o CGI em comunicado.

"O CGI acordará com o futuro Conselho de Administração da RTP o Projecto Estratégico para o respectivo mandato", conclui o órgão supervisor da RTP liderado por António Feijó.

Segundo o site do Económico, Gonçalo Reis já esteve na RTP entre 2002 e 2007 (no consulado de Almerindo Marques), ano em que foi para a Estradas de Portugal.

Se este assumir a presidência da RTP, o seu irmão, Pedro Reis, que lidera a Plataforma de Media Privados, que congrega a Impresa, Media Capital, Cofina, Controlinveste e grupo Renascença, abandona este cargo.

"Naturalmente abandonarei de imediato as funções que atualmente exerço em 'part time' na Plataforma de Media Privados por uma questão de princípio e de deontologia que muito prezo", afirmou o antigo presidente da AICEP - Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal.

Nuno Artur Silva, moderador do programa Eixo do Mal, da da SIC Notícias, é também diretor-geral das Produções Fictícias e do canal Q.

O Conselho Geral Independente da RTP propôs, no início de dezembro, a destituição da administração liderada por Alberto da Ponte, depois do chumbo à segunda versão do Projeto estratégico para a empresa para 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.