Nuno Artur Silva proposto para administrador da área de conteúdos da RTP; Gonçalo Reis para presidente

Conselho Geral Independente da televisão pública propõe ao Governo estas alternativas para suceder a Alberto da Ponte.

De acordo com o Económico, o Conselho Geral Independente da RTP propõe o nome de Gonçalo Reis para presidente da RTP e o de Nuno Artur Silva para administrador para a área dos conteúdos.

Na proposta a ser entregue ao ministro dos Assuntos Parlamentares, Poiares Maduro, fica a faltar um nomeado para administrador financeiro.

"O nome do vogal do Conselho de Administração responsável pela área financeira será tornado público após parecer, prévio e vinculativo, do membro do Governo responsável pela área das Finanças", confirmou, ao início da noite, o CGI em comunicado.

"O CGI acordará com o futuro Conselho de Administração da RTP o Projecto Estratégico para o respectivo mandato", conclui o órgão supervisor da RTP liderado por António Feijó.

Segundo o site do Económico, Gonçalo Reis já esteve na RTP entre 2002 e 2007 (no consulado de Almerindo Marques), ano em que foi para a Estradas de Portugal.

Se este assumir a presidência da RTP, o seu irmão, Pedro Reis, que lidera a Plataforma de Media Privados, que congrega a Impresa, Media Capital, Cofina, Controlinveste e grupo Renascença, abandona este cargo.

"Naturalmente abandonarei de imediato as funções que atualmente exerço em 'part time' na Plataforma de Media Privados por uma questão de princípio e de deontologia que muito prezo", afirmou o antigo presidente da AICEP - Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal.

Nuno Artur Silva, moderador do programa Eixo do Mal, da da SIC Notícias, é também diretor-geral das Produções Fictícias e do canal Q.

O Conselho Geral Independente da RTP propôs, no início de dezembro, a destituição da administração liderada por Alberto da Ponte, depois do chumbo à segunda versão do Projeto estratégico para a empresa para 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.