Nuno Artur Silva proposto para administrador da área de conteúdos da RTP; Gonçalo Reis para presidente

Conselho Geral Independente da televisão pública propõe ao Governo estas alternativas para suceder a Alberto da Ponte.

De acordo com o Económico, o Conselho Geral Independente da RTP propõe o nome de Gonçalo Reis para presidente da RTP e o de Nuno Artur Silva para administrador para a área dos conteúdos.

Na proposta a ser entregue ao ministro dos Assuntos Parlamentares, Poiares Maduro, fica a faltar um nomeado para administrador financeiro.

"O nome do vogal do Conselho de Administração responsável pela área financeira será tornado público após parecer, prévio e vinculativo, do membro do Governo responsável pela área das Finanças", confirmou, ao início da noite, o CGI em comunicado.

"O CGI acordará com o futuro Conselho de Administração da RTP o Projecto Estratégico para o respectivo mandato", conclui o órgão supervisor da RTP liderado por António Feijó.

Segundo o site do Económico, Gonçalo Reis já esteve na RTP entre 2002 e 2007 (no consulado de Almerindo Marques), ano em que foi para a Estradas de Portugal.

Se este assumir a presidência da RTP, o seu irmão, Pedro Reis, que lidera a Plataforma de Media Privados, que congrega a Impresa, Media Capital, Cofina, Controlinveste e grupo Renascença, abandona este cargo.

"Naturalmente abandonarei de imediato as funções que atualmente exerço em 'part time' na Plataforma de Media Privados por uma questão de princípio e de deontologia que muito prezo", afirmou o antigo presidente da AICEP - Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal.

Nuno Artur Silva, moderador do programa Eixo do Mal, da da SIC Notícias, é também diretor-geral das Produções Fictícias e do canal Q.

O Conselho Geral Independente da RTP propôs, no início de dezembro, a destituição da administração liderada por Alberto da Ponte, depois do chumbo à segunda versão do Projeto estratégico para a empresa para 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.