saúde pública

Numa altura em que a pandemia está a evoluir, o presidente da Associação dos Médicos de Saúde Pública

Covid-19. Entrevista a Ricardo Mexia

"Não é com conferências de imprensa que controlamos a doença"

Portugal ultrapassou os cem mil casos de covid-19 esta semana. A pandemia está numa fase ascendente, como noutros países da Europa. Quem está no terreno não duvida do que aí vem será pior do que a primeira fase. E o presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública, Ricardo Mexia, diz ser "exasperante" andar há sete meses a dizer o mesmo e "a resposta ser nula" em relação aos recursos nesta área. "Se a Saúde entrar em rutura, o país vai ter de fechar".

Premium

atestados médicos

Covid-19 deixou mais de 45 mil pessoas à espera de juntas médicas

A obtenção de apoio social e fiscal por incapacidade tem de ser validada por uma junta médica. Os benefícios aumentaram nos últimos anos, os pedidos dispararam, e os médicos de saúde pública são poucos para tantas funções. O atraso nas respostas vai dos seis meses aos dois anos. A pandemia agravou a situação. O governo teve de suspender a emissão de atestados, que só agora está a ser retomada. "Os médicos vão ter de trabalhar sete dias por semana, oito horas cada por muitos meses para recuperar o que está para trás."