Rosália Amorim

Premium

Rosália Amorim

O que levar na mala para Pequim, em 2019?

A visita oficial do presidente Xi Jinping já é uma vitória para Portugal, seja no campo político e diplomático, seja no económico. Desde 2010 que Portugal não recebia um presidente da República Popular da China. Esta visita, que está a decorrer até hoje, quarta-feira, acontece em vésperas de serem celebrados os 40 anos desde que foram retomadas as relações diplomáticas entre os dois países.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Opinião

Sem "medo de partir para o mundo"

A frase é do primeiro-ministro, António Costa: as empresas não devem ter "medo de partir para o mundo". O governante proferiu estas palavras ontem ao visitar a fábrica da Simoldes, em Lille, França. Um caso exemplar de investimento e internacionalização da indústria de moldes portuguesa. Esta é uma das áreas de atividade que mais partiram para o mundo, exportando e instalando unidades fabris por vários continentes. E fê-lo sem medos. Só em França, a Simoldes Plásticos atingiu, em 2017, uma faturação de 46 milhões de euros e dá emprego a 240 pessoas. A empresa lusa está presente naquele mercado há duas décadas e fornece componentes de plástico para a indústria automóvel. O grupo nasceu em Oliveira de Azeméis e foi fundado há 59 anos. Em Portugal e no estrangeiro dá emprego a cinco mil pessoas e hoje pode orgulhar-se de ser líder europeu nos moldes.