Rogério Casanova

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Opinião

Alguns Temas Efectivamente Na Área do Gás

"Passo de imediato a palavra ao excelentíssimo deputado, para que comece pelas palavras que achar melhor, queira ter a gentileza". Setembro, mês de recomeços. A nova temporada da democracia estreou-se na ARTV, com uma intrigante série intitulada Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Electricidade. O episódio de terça-feira contou com a participação especial do convidado Franquelim Alves, ex-secretário de Estado que em 2004 teve "a tutela da Energia... e alguns temas na área do gás". "Era essa", garantiu, "a esfera em que me enquadrava".

Rogério Casanova

Carpe Diem

No épico anglo-saxão Beowulf conta-se que a Grande Rainha Modthryth, sempre que apanhava um súbdito temerário a olhá-la directamente, mandava de imediato amarrá-lo, torturá-lo e esquartejá-lo. No caso da Rainha da Televisão Generalista (©) estas restrições bárbaras não se aplicam: os súbditos não só podem olhá-la directamente como muitas vezes não têm outro remédio. Podem olhá-la directamente no quiosque, podem olhá-la directamente no blogue, podem olhá-la directamente no Instagram, e podem olhá-la directamente no ecrã - de manhã, ao fim da tarde, e até ao sétimo minuto do Jornal da Noite (SIC) de segunda-feira, altura em que Rodrigo Guedes de Carvalho interrompeu pacientemente o alinhamento ("já vamos continuar a perceber como correu o início deste ano lectivo, mas para já...") e anunciou que "a grande contratação do ano" acabara de chegar ao Palácio de Carnaxide, onde vai reinar durante os próximos anos. Anunciou também que a figura contratada pela SIC "por valores nunca dantes navegados" (sic) ia ser submetida a uma "entrevista longa, em que responderá a todas as perguntas que forem jornalisticamente relevantes".

Premium

Rogério Casanova

Palhaços assassinos e a gastronomia da Pangeia

É à mesa que se assinam tratados, é à mesa que se escrevem poemas... É à mesa que começa a vida." Foi com esta retórica circunspecta que José Carlos Malato procurou elucidar os telespectadores sobre a importância do evento que estava prestes a começar: a sétima edição de 7 Maravilhas à Mesa (RTP 1, sábados), onde uma escrupulosa hierarquia gastronómica de Portugal será estabelecida pela sétima vez. A primeira gala realizou-se em Reguengos de Monsaraz e contou com a presença do presidente da Câmara, habilmente interrogado por uma céptica Catarina Furtado: "As entidades... sentem sempre assim... uma responsabilidade, ou não?" O autarca confirmou sentir a devida responsabilidade e esclareceu de seguida que aquele lugar era habitado há milénios, mostrando estar em perfeita sintonia com um dos temas dominantes da noite, reforçado durante a montagem de apresentação da cidade, onde a frase "há milénios" foi repetida quatro vezes (uma delas para explicar que Reguengos é "há milénios o principal centro oleiro do país").

Rogério Casanova

Tecnologia, emoção e morte ao sol

O escritor de ficção científica Arthur C. Clarke, que adivinhou em 1945 a invenção dos satélites de comunicações, também previu o uso de tecnologia como solução para erros de arbitragem. No conto A Slight Case of Sunstroke, publicado em 1958, um jogo importantíssimo é disputado na fictícia república sul-americana da Perívia, contra o histórico rival Panaguara. Metade dos cem mil espectadores são militares que receberam bilhetes gratuitos, bem como brochuras luxuosamente encadernadas em papel de prata. Suspeitando de que o jogo foi comprado, o governo local formula um plano: ao primeiro erro clamoroso que os prejudique soará uma corneta, sinal para os militares erguerem as brochuras a um ângulo específico, de forma a reflectir a luz do sol na direcção do árbitro. Quando o momento chega (um fora-de-jogo escandaloso), cinquenta mil superfícies espelhadas erguem-se e o árbitro corrupto é instantaneamente incinerado, reduzido a um monte de cinzas sobre a relva. Mesmo com tecnologia rudimentar, um claro triunfo da verdade desportiva.

Diário do Mundial

Tecnologia, Emoção e Morte ao Sol

O escritor de ficção científica Arthur C. Clarke, que adivinhou em 1945 a invenção dos satélites de comunicações, também previu o uso de tecnologia como solução para erros de arbitragem. No conto "A Slight Case of Sunstroke", publicado em 1958, um jogo importantíssimo é disputado na fictícia república sul-americana da Perívia, contra o histórico rival Panaguara. Metade dos cem mil espectadores são militares que receberam bilhetes gratuitos, bem como brochuras luxuosamente encadernadas em papel de prata. Suspeitando que o jogo foi comprado, o governo local formula um plano: ao primeiro erro clamoroso que os prejudique soará uma corneta, sinal para os militares erguerem as brochuras a um ângulo específico, de forma a reflectir a luz do sol na direcção do árbitro. Quando o momento chega (um fora-de-jogo escandaloso), cinquenta mil superfícies espelhadas erguem-se e o árbitro corrupto é instantaneamente incinerado, reduzido a um monte de cinzas sobre a relva. Mesmo com tecnologia rudimentar, um claro triunfo da verdade desportiva.