plástico

Opinião

Em derrapagem

Em 1970, Georges Friedmann (1902-1977), na sua obra O Poder e a Sabedoria, designava a figura do "condutor" de veículos como símbolo da nossa civilização. Para Friedmann, um dos mais argutos estudiosos do nosso vertiginoso destino tecnológico, os milhões de desastres e centenas de milhares de mortos em acidentes de viação que anualmente ocorrem são a trágica representação do "grande desequilíbrio" que atinge o coração da nossa cultura contemporânea: o abismo entre o imenso poderio tecnológico e a frágil sabedoria moral das nossas decisões.