papel

Pela América do Tio Silva

Bacalhau e pastéis de nata aqui são cartão-de-visita

Um intercâmbio de estudantes levou-o aos EUA há 30 anos. Voltaria para tirar Marketing, sem pensar ficar. Hoje divide-se entre quatro restaurantes e outros negócios. Neste verão o DN republica algumas das reportagens integradas na rubrica sobre portugueses e luso-americanos de sucesso Pela América do Tio Silva. Este artigo foi publicado originalmente a 15 de dezembro de 2017.

Pela América do tio Silva

O filho da terra dos dinossauros que a guerra levou até San Diego

Nasceu na terra dos dinossauros, Moita dos Ferreiros, Lourinhã, mas emigrou com a família, primeiro para o Canadá, depois para os EUA. A especialização em metais preciosos levou-o até San Diego, na Califórnia, onde trabalhou como soldador de submarinos nucleares durante os anos da guerra do Vietname. Neste verão o DN republica algumas das reportagens integradas na rubrica sobre portugueses e luso-americanos de sucesso Pela América do Tio Silva. Este artigo foi publicado originalmente a 11 de agosto de 2017

Pela América do tio Silva

Ele descobriu como se vende bacalhau aos americanos

Nasceu em São Miguel, mas ainda mal falava quando os pais emigraram para Massachusetts. Agora, Michael Benevides gere em Fall River o Portugalia Marketplace, que vende à comunidade e a todos os que gostem da marca Portugal. Neste verão o DN republica algumas das reportagens integradas na rubrica sobre portugueses e luso-americanos de sucesso Pela América do Tio Silva. Este artigo foi publicado originalmente a 8 de dezembro de 2017

compras

Coimbra: esta loja-oficina é para amantes do papel

É uma loja oficinal para amantes do papel, o qual está longe de ter fim, garante Maria Ferreira, a encadernadora profissional por trás da Chronospaper, um projeto que divide com o marido, Carlos. Essa convicção de que o tempo do papel não vai passar reflete-se no nome da marca e no logótipo, que integra o símbolo do infinito. Em junho, o casal deixou a Praça do Comércio e foi para a Rua Adelino Veiga, também na Baixa. É lá que trabalha agora, entre livros, ferramentas e uma televisão com a mensagem read instead (lê em vez disto). Os produtos à […]

Opinião

A hora da verdade para Pedro Sánchez

Em apenas dez dias, Espanha passou a viver um autêntico e inesperado furacão político. Ninguém o previa mas trouxe consigo um novo primeiro-ministro, Pedro Sánchez, a queda do governo conservador de Mariano Rajoy e a sua saída de líder do PP, após a moção de censura apresentada e ganha no Parlamento de Madrid pelo PSOE ter colhido o apoio de todos os outros partidos - do Podemos aos independentistas da Catalunha e País Basco, e aos nacionalistas bascos. Foi um passo histórico na democracia espanhola, por vários motivos. Nunca antes um governo tinha caído numa moção de censura, nunca antes um partido tinha chegado ao poder sem ter ganho as eleições e nunca antes o conseguira com tão poucos deputados na Câmara Baixa, 84 de 350.