Opinião

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.

Henrique Burnay

A Europa, entre Putins e Tiagos

Enquanto em alguns países da Europa de Leste há milícias populares armadas que perseguem migrantes e refugiados junto à fronteira e pelas ruas de vilas e aldeias, pela Europa fora há gente como o Tiago Cardoso, entrevistado na edição de terça-feira passada do Expresso Diário, que se voluntaria para dar um mínimo de decência às condições em que esses migrantes e refugiados vivem quando chegam cá. Entre uns e outros há uma enorme diferença moral e uma preocupante coincidência: a ausência do Estado. A diferença tem difícil solução, a coincidência é o maior problema das eleições europeias e é um exagero que está a crescer.

Premium

Pedro Marques Lopes

Os eleitores querem mesmo fascistas

No Brasil, os níveis de pobreza extrema, de uma desigualdade sem paralelo, de iliteracia, de influência de organizações tão sinistras como a IURD, de fragilidade das instituições, de intervenção direta dos principais media no processo político, cria um cocktail sempre pronto a explodir. Podia dizer-se o mesmo do resto da América Latina. Médici, Castro, Somoza, Videla, Maduro, Pinochet e mais um nunca acabar de figuras do género são comuns nesse continente.

Marisa Matias

A nossa casa comum

A menos de dois meses da Conferência das Partes (COP24) que terá lugar na Polónia, somos alertados pelo Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas que temos apenas 12 anos para reverter a catástrofe que se avizinha. Porquê catástrofe? Porque qualquer que seja a temperatura que vá além do aquecimento global de 1,5º C aumenta exponencialmente o risco de cheias, calor extremo, tempestades e, com isso, centenas de milhões de pessoas arrastadas para a pobreza extrema. Mas o relatório do Painel das Nações Unidas mostra-nos como cada décima de grau centígrado a mais poderá ter impactos como o degelo do Ártico, e consequente subida do nível das águas do mar ou a erradicação de todas as barreiras de corais existentes, fundamentais para a sobrevivência dos ecossistemas marinhos.

Maria Antónia de Almeida Santos

Até parece que não somos todos guardiões da democracia

Muitas têm sido, as definições de democracia. A essência da democracia, espelhando na prática aquilo que pretende transmitir, será talvez um dos conceitos mais debatidos e discutidos no mundo. Ironicamente, esquecemo-nos por vezes de que o princípio da definição de democracia terá de ser sempre por aquilo que ela simplesmente não é, nunca foi e jamais será: a cultura do ódio e o cultivo da intolerância.