Nuno Júdice

Nuno Júdice

Um homem certo para o lugar difícil

Não é todos os dias que há boas notícias no mundo da Cultura, em geral associado a informações sobre carências várias, falta de dinheiro, património em risco, etc. É por isso de saudar a boa notícia da indicação de Luís Filipe Castro Mendes como ministro da Cultura. Amigo dele desde os tempos dos movimentos associativos da universidade mas também como colaboradores do Diário de Lisboa Juvenil em que iniciámos a publicação de poesia nos longínquos anos 60 do século passado, nunca o nosso convívio se interrompeu ao longo de muitas décadas, por vezes distante devido às funções que desempenhou no estrangeiro na qualidade de diplomata. Segui a sua afirmação como poeta, numa carreira que já conta com muitos títulos que o consagraram como um dos nomes de referência da nossa poesia, e igualmente segui o seu percurso de diplomata que o fez passar por alguns centros da lusofonia, como Luanda e o Rio de Janeiro, por capitais da cultura europeia, como Madrid e Paris, e por um país a que a história nos liga, como é a União Indiana.