Margarida Balseiro Lopes

Margarida Balseiro Lopes

Medidas de apoio às empresas

Sobre a pandemia que vivemos há, ainda, ao dia de hoje mais dúvidas do que certezas. Ainda não sabemos quando terminará, em que termos, com que efeitos, nem as consequências que terá para o nosso país, para a Europa e para o mundo. Sabemos, no entanto, que deixará um lastro pesado com o qual teremos de lidar nos próximos meses e anos. Na saúde, na sociedade e na economia é fundamental que o consenso generalizado a que chegámos para fazer face ao covid-19 em Portugal não se traduza num unanimismo bacoco e atávico que contrarie aquela que é a principal vocação da política: a capacidade de encontrar respostas para os problemas que as pessoas e a sociedade enfrentam.

Margarida Balseiro Lopes

O combate de todos

Enquanto portugueses, enfrentamos hoje um desafio sem precedentes. Estamos em estado de combate contra a pandemia do covid-19, numa luta que nos inclui a todos, sem exceção. Nesta hora, devemos unir-nos e reafirmar a responsabilidade que, enquanto comunidade, detemos uns pelos outros. É essencial evitar menosprezar o mais importante e essencial de todos os recursos: a humanidade. É dela que todos os esforços dependem. É de cada um de nós e das suas heroicas, mesmo que pequenas, atitudes. Da nossa vontade de cumprir as indicações que nos são pedidas, capacidade de distinguir o que é urgente e necessário do que é supérfluo e dispensável. Da nossa união enquanto povo, enquanto comunidade, capaz de afastar as tentações de guerrilha política e partidária. Da nossa solidariedade e responsabilidade.

Exclusivo

Margarida Balseiro Lopes

Ambiente sem etiqueta ideológica

A crescente preocupação com o Ambiente a que hoje assistimos é muitas vezes acompanhada por uma tentativa de apropriação ideológica. A proteção e o cuidado pelo Ambiente, a justiça climática e solidariedade social são apresentados como prioridade de uns partidos e inimigo de outros. Uns são potenciais salvadores, outros são os derradeiros causadores. Esta visão da realidade, para além de errada, é limitadora de uma consequente discussão e ação a favor do ambiente e da sustentabilidade. Porque as potenciais soluções para enfrentar a crise ambiental encontram-se também na visão social-democrata.

Margarida Balseiro Lopes

O quase mea culpa de Costa

Ao longo dos últimos quatro anos tem sido cada vez mais evidente a degradação do Serviço Nacional de Saúde. As cativações e a falta de investimento foram tónicas dominantes do governo liderado por António Costa. Listas de espera para consultas, exames e cirurgias, falta de medicamentos nas unidades de saúde, o aumento brutal das dívidas do setor, e, curiosamente, tudo isto coincidiu com o período mais lucrativo de sempre para as empresas privadas do setor da Saúde.

Margarida Balseiro Lopes

Para começar

Como as sucessivas eleições têm demonstrado há um divórcio claro entre eleitos e eleitores. Uma das principais reivindicações que as pessoas fazem é o reforço da transparência na atividade política. A anterior legislatura foi uma oportunidade perdida para a legalização do lobbying. Depois de anos a debater o tema na comissão eventual para o Reforço da Transparência no Exercício de Funções Públicas, no final o Parlamento acabou por desperdiçar a oportunidade de legislar sobre esta matéria. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a sua regulamentação poderá ser uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político. Erradicando, desde já, quaisquer possíveis preconceitos sobre este tema, importa ressalvar que legalizar o lobbying não é permitir qualquer comportamento que, atualmente, esteja tipificado penalmente como um ilícito criminal. O objetivo é apenas regular a atividade de decisão política, que, obviamente, é influenciada pela sociedade e pelos contactos que os decisores com esta estabelecem, tornando a informação pública e acessível a todos.

Margarida Balseiro Lopes

A omissão do programa do governo

Tivemos nesta semana a discussão do programa do governo. Das muitas medidas apresentadas o que mais salta à vista é uma completa omissão em relação ao combate à corrupção. Pese embora haja um capítulo dedicado ao tema, a verdade é que tudo se resume a campanhas de sensibilização, a medidas programáticas (como a garantia de que "não se criam obscuridades legais") e códigos de conduta (cujo passado recente envolvendo o governo provou serem de utilidade e cumprimento duvidosos).

Margarida Balseiro Lopes

Laços de família

Há uns meses ficou o país perplexo com a enorme constelação de familiares que ocupavam os gabinetes do governo e organismos da administração pública. Se é verdade que os laços familiares não devem ser impedimento para que alguém possa ser promovido ou valorizado em função do seu mérito, também não devem os apelidos ser determinantes para que se entupa a administração com pais, filhos, primos e demais família. Em causa estará, bem antes da lei, a ética republicana que tantas vezes é defendida do ponto de vista teórico, mas colocada em causa nas opções que vão sendo feitas do ponto de vista prático.