Marchas Populares

AJUDA

Orgulho e confiança unem-se pela Ajuda

Considerado um dos marchantes mais antigos de Lisboa, Tó Marinheiro já representa o seu bairro na Ajuda há mais de 27 anos. Começou como mascote, depois foi marchante, tornou-se ensaiador das Marchas dos Mercados e até já foi padrinho. "É um orgulho mostrar o bairro, as festas da cidade são para os lisboetas, para a população e para os estrangeiros que nos vêm ver", conta Tó Marinheiro que já tem planos para inscrever a neta nas marchas. Ouve-se as primeiras notas da marcha e Tó Marinheiro corre para o seu lugar para o ensaio poder começar. Também a mascote não falta a um único ensaio e Rita, de oito anos, parece saber os passos tão bem como os marchantes. "Gosto muito das marchas e também tenho de ensaiar para aprender os passos." Sonha com o dia em que possa marchar ao lado da sua família que também participa.

Marcha do Castelo

O namoro das típicas lavadeiras e dos soldados

"Lavadeiras e soldados no Castelo enamorados." Este é o tema que as Marchas do Castelo levam hoje ao MEO Arena (antigo Pavilhão Atlântico) e dia 12 à Av. da Liberdade. "Escolhemos as lavadeiras porque é algo tipicamente português, os soldados foi imposição do responsável que queria uma marcha com tambores e assim estão enamorados no castelo", explicou ao DN a ensaiadora. Ana Fonseca tomou as rédeas da marcha a meio do ano passado e conseguiu ficar em 6.º lugar. Agora diz estar "bastante contente com este grupo, há amizade e respeito e isso é fundamental para ganharmos". Ao seu lado encontra-se a pequena mascote do Castelo, Martim, seu filho, que aos 2 anos já marcha como os "grandes".

Marchas populares

O Norte do País domina na marcha do Beato

"Malta, malta, concentração, por favor! Vamos recomeçar!", é a voz de comando de Bruno Lucas que ecoa no campo de futebol exterior da Escola Luís António Verney, o local eleito para os ensaios da Marcha do Beato. As palavras de ordem são expressas pelo coreógrafo da marcha. Um nortenho, da terra dos ovos moles (Aveiro), que aos sete anos veio viver para Lisboa e desde cedo se apaixonou pelas festas . "Os arcos enfeitados, os figurinos cheios de cor, as coreografias... Tudo é fascinante! Tenho um gosto enorme pelas Festas de Lisboa" afirma o jovem de 27 anos que, agora, se estrea como coreógrafo, mas que desde pequeno começou a marchar e não mais parou nestas andanças.