Leonídio Paulo Ferreira

China bate EUA e já é o gigante diplomático

Leonídio Paulo Ferreira

China bate EUA e já é o gigante diplomático

A China acaba de ultrapassar os EUA como a maior potência diplomática se tivermos em conta o número de representações no exterior, 276 no total, incluindo 169 embaixadas. Os americanos, líderes desde longa data, são agora segundos, com 273, das quais 168 com estatuto de embaixadas. O terceiro lugar é ocupado pela França, e Portugal é um muito honrado 23.º, segundo o Global Diplomacy Index do Lowy Institute, think tank australiano.

Muro de Berlim

Leonídio Paulo Ferreira: Este muro era para impedir que saíssem 

A frincha no muro tem escassos milímetros, mas chega para se ver a faixa da morte, com a sua velha torre de controlo e o caminho usado pelos guardas fronteiriços para fazer a patrulha. Dos espigões de ferro que se erguiam do solo (a "relva de Estaline") e do arame farpado que os antecedia já não há vestígios. Ao fundo, talvez a uns 60 metros, surge o obstáculo final, outro muro de betão, mais alto e sem quaisquer aberturas. E visível ainda, com dificuldade, aparece o topo dos edifícios do outro lado, o livre, da Bernauer Strasse, uma rua berlinense cheia de histórias trágicas da Guerra Fria, daquelas que inspiraram os primeiros romances de espionagem de John le Carré. É esta experiência de um tempo de prisão que acabou a 9 de novembro de 1989 que oferece o Memorial do Muro de Berlim, hoje a parte mais bem conservada dessa fronteira artificial que separava Berlim Oriental, sob tutela comunista, de Berlim Ocidental, parte da RFA, fiel aos valores da democracia e da liberdade.

Leonídio Paulo Ferreira

Extremadura é muito mais do que ir comprar caramelos a Badajoz

É sempre às 11 da noite que começam as peças do Festival de Teatro Clássico de Mérida. Por um lado, o calor do verão fica mais suportável, por outro, a beleza das ruínas romanas da antiga capital da Lusitânia ganha com o jogo de luzes magia extra. Para mim, assistir, como neste fim de semana, a atores a citar as palavras de Ovídio, autor latino de há dois mil anos, é a melhor experiência que tenho da Extremadura, esta região espanhola vizinha do Alentejo e das Beiras.

Leonídio Paulo Ferreira

Preparem-se para um Brexit com o selo de Boris, seja lá o que isso for

Bem pode a The Economist assumir que teme um Partido Conservador a coroar Boris Johnson ou o Le Monde publicar um editorial sobre a tragédia de ter o antigo jornalista do Telegraph como primeiro-ministro britânico. A verdade é que cada vez mais parece ser este o homem do momento no Reino Unido, depois de garantir o apoio de metade dos deputados conservadores e partir agora em vantagem clara nas sondagens para o duelo final com Jeremy Hunt - duelo que será decidido pelos 160 mil militantes do partido através de voto postal.

Leonídio Paulo Ferreira

Eu vi uma estrela americana a ver as estrelas num castelo alentejano

Imagine um belo recanto de Portugal longe de quase tudo, uma serra ainda mais isolada, e um castelo no topo de uma colina, onde já houve uma vila, Noudar. Foi onde ontem vi as estrelas e onde vi também uma estrela americana vê-las, fascinada a ouvir as explicações em português. Era Ellen Rabiner, contralto, figura reputada da ópera, profissional da Met de Nova Iorque. Uma semideusa de voz de encantar, encantada com o Alentejo.

Opinião

Quando as bombas matam Silvas e Fonsekas

Haverá Silvas e Fonsekas entre os mortos. E também Fernandes ou Dias, quase de certeza. O ataque às igrejas do Sri Lanka foi um ataque a uma minoria religiosa cuja origem remonta ao século XVI, quando a pequena ilha vizinha da Índia foi colonizada pelos portugueses. Ainda há poucos anos o Papa Francisco reconheceu essa evangelização ao canonizar José Vaz, um padre goês que tanto Portugal como a Índia podem reivindicar entre os seus santos. Falava português e konkani, além do cingalês.

Catedral de Notre Dame

O que ardeu em Paris não foi uma igreja

O que ardeu ontem em Paris não foi uma igreja. Se as chamas em Notre Dame - Nossa Senhora - comoveram meio mundo, deve-se a uma dimensão que vai muito além da meramente religiosa, mesmo que os 900 anos das suas pedras testemunhem a devoção de uma França que embora laica se orgulha também de ser La fille aînée de l'Église, a mais velha das nações católicas, referindo-se ao batismo de Clóvis, rei dos Francos, no final do século V.

Opinião

Caxemira: questão não é Índia retaliar, mas sim com que fúria

O problema de Caxemira, cuja soberania é disputada por potências nucleares, começa pelo seu simbolismo, com o K inicial (em inglês) a ser a terceira letra do nome inventado para pátria dos muçulmanos da Índia ainda na era colonial britânica, esse Paquistão (Pakistan) ou "País dos Puros" nascido finalmente em 1947. Já para a União Indiana, a moderna Índia também independente desde 1947, Caxemira é a prova da diversidade, pois é o único estado que tem maioria muçulmana num país esmagadoramente hindu, mas orgulhoso de ser pátria de outras religiões, de sikhs a cristãos.

Leonídio Paulo Ferreira

Sánchez, o político que ganha mesmo quando perde

Pedro Sánchez ganhará as próximas legislativas espanholas? Porque não? O inexperiente político que ainda há pouco tempo não convencia os barões do PSOE e tinha dificuldades em garantir aos socialistas mais votos do que os do Podemos até já chegou a primeiro-ministro, logo tudo parece possível. E a verdade é que depois de o orçamento ter sido chumbado hoje no parlamento, uma ida antecipada às urnas é quase inevitável, num momento em Espanha em que tudo parece jogar a favor das ambições de Sánchez. Até este voto contra dos nacionalistas.