Jorge Costa Oliveira

Jorge Costa Oliveira

Made in China 2025 e o novo mundo multipolar

Em 2015 a China adotou um dos seus mais ambiciosos planos - o Made in China (MIC) 2025. O MIC 2025 é uma iniciativa que visa garantir a posição da China como uma potência global nas indústrias de alta tecnologia, apostando em dez setores estratégicos - tecnologia de circuitos integrados e nova TI; maquinaria de controlo manufatureiro e robótica de ponta; equipamento aeronáutico e aeroespacial; equipamento de engenharia oceânica e transporte marítimo de alta tecnologia; equipamento moderno de transporte ferroviário; veículos movidos a novas energias; equipamento de energia; novos materiais críticos; biomedicamentos e equipamento médico de ponta; maquinaria e tecnologia agrícolas.

Jorge Costa Oliveira

O acordo abrangente sobre investimento UE-China

O Conselho e a Comissão da UE concluíram, no final de 2020, um acordo de princípio quanto a um Acordo abrangente sobre Investimento (CAI) com a República Popular da China. Um dos pressupostos subjacentes a este acordo radica na crença de ambas as partes num sistema de comércio multilateral aberto e na reafirmação dos respetivos compromissos no âmbito do Acordo da OMC e de criar um clima que facilite e desenvolva o comércio e o investimento entre as partes, estabelecendo as disposições necessárias para a liberalização do investimento. Outro pressuposto radica nos números - a UE é o primeiro destino das exportações chinesas; a China é o terceiro destino para as exportações da UE (depois dos EUA e do Reino Unido). Entre 2000 e 2020, as empresas da UE investiram cerca de 148 mil milhões de euros na China e as empresas chinesas cerca de 117 mil milhões de euros na UE.

Jorge Costa Oliveira

O PRR, a falta de estratégias nacionais e a marginalização das pequenas empresas

Na página online do governo apresentando o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) informa-se que este "se insere no âmbito da Estratégia Portugal 2030, o referencial estratégico para as opções estruturais do nosso país ao longo da década, e que tem por base a visão estratégica para o plano de recuperação económica de Portugal 2020-2030, [...] elaborado pelo Professor António Costa Silva". Nesta visão propugna-se a criação de um "cluster do hidrogénio verde" e de um "cluster do lítio, do nióbio, do tântalo e das terras raras".

Jorge Costa Oliveira

Porque não há um mercado de créditos de carbono em Portugal?

Há muito que é reconhecido que a gestão profissional da floresta é a solução para vários problemas. Desde logo, para o recorrente problema dos fogos florestais que todos os anos assola o país. Sendo certo que tal é reconhecido num matagal legislativo e regulamentar, de "estratégias" a "planos", num infindável hosana nas alturas de promessas de apoios à proteção florestal ou ao incremento da gestão florestal profissional.