João Lopes

Opinião

Para acabar com o cinema em Portugal

Por princípio, evito comentar a actualidade cinematográfica em função da minha própria experiência enquanto jornalista e crítico. Ainda assim, perante a carta das empresas distribuidoras de cinema, associadas da FEVIP, dirigida ao ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, permito-me dar conta de um ponto de vista pessoal: considero o cinema dos EUA uma importantíssima área de produção, certamente com muitos contrastes e diferenças de valor; na prática, ao longo das décadas da minha actividade profissional, desde as atribulações temáticas e estéticas dos anos 70 até ao presente, sempre encontrei na produção americana - dos grandes estúdios aos mais remotos independentes - muitos dos títulos mais fascinantes do cinema de cada época.