Graça Freitas

Marisa Matias

Fogo amigo

A expressão é eufemística e supostamente refere-se a um engano. Fala-se de fogo amigo para um ataque que vem de dentro, e parece que é o que estamos a assistir em Portugal mesmo antes da paragem sazonal. Senão vejamos. A resposta à crise pandémica trouxe para o centro da política portuguesa a ministra Marta Temido e a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas. Em tempos de enorme incerteza, e não isentas de falhas, tiveram a capacidade de ir respondendo com o que sabiam, gerindo a incerteza e dando respostas de forma clara e corajosa. Essa resposta deu a Costa a popularidade de que tem gozado. É por isso que é tão indigna a mudança de postura de uma parte do partido do Governo que não se coíbe agora de criticar a sua intervenção e de fazer coro com a direita. É esta mudança um acaso? Não parece.

Best of DN/Covid-19

Graça Freitas. Uma falsa frágil, como as orquídeas que ama

Era uma cientista sólida e discreta até chegar ao topo da Direção-Geral da Saúde, lhe cair uma pandemia no colo e entrar na nossa TV diariamente. Quem é esta mulher de pose serena e voz segura que assume não saber tudo? Com o perfil da diretora-geral de Saúde o DN, publicado a 21 de março de 2020, inicia a republicação de trabalhos relacionados com a covid-19.

Covid-19

Surto em Lisboa preocupa. Mais mulheres e cada vez mais jovens infetados

Portugal totaliza agora 17 549 recuperados. De sábado para domingo há mais 14 mortes a registar, num total de 1316. Casos positivos são agora de 30 623. Marta Temido e Graça Freitas admitem preocupação com surtos na região da capital. Há mais mulheres do que homens infetados e cada vez mais jovens. Remarcadas 30% das consultas e cirurgias adiadas por causa do covid-19.