Francisco Seixas da Costa

Opinião

Uma agenda para o mundo

O governo de António Costa parece determinado em dar à política externa um lugar de topo nas suas preocupações. O facto de o ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE) ser o segundo na hierarquia do executivo e de ter sido escolhido para o posto um qualificado "peso-pesado" socialista são disso prova evidente. Se a isso somarmos a circunstância de o MNE ter, pela primeira vez, quatro secretários de Estado, um dos quais dedicado exclusivamente à internacionalização da economia - que é outra maneira de dizer que coordena a AICEP -, fica claro que as Necessidades passam a ter um forte controlo sobre toda a ação externa.