DN | papel

Opinião

A hora da verdade para Pedro Sánchez

Em apenas dez dias, Espanha passou a viver um autêntico e inesperado furacão político. Ninguém o previa mas trouxe consigo um novo primeiro-ministro, Pedro Sánchez, a queda do governo conservador de Mariano Rajoy e a sua saída de líder do PP, após a moção de censura apresentada e ganha no Parlamento de Madrid pelo PSOE ter colhido o apoio de todos os outros partidos - do Podemos aos independentistas da Catalunha e País Basco, e aos nacionalistas bascos. Foi um passo histórico na democracia espanhola, por vários motivos. Nunca antes um governo tinha caído numa moção de censura, nunca antes um partido tinha chegado ao poder sem ter ganho as eleições e nunca antes o conseguira com tão poucos deputados na Câmara Baixa, 84 de 350.