Darfur

Mundo

Os protagonistas da Cimeira UE-África

José Sócrates A organização da cimeira União Europeia-África é uma das grandes apostas da presidência portuguesa da UE, a par com a assinatura do Tratado Reformador. Desde que Brown aplaudiu a realização da cimeira, Sócrates respirou de alívio.   Gordon Brown O primeiro-ministro britânico recusa vir a Lisboa e sentar-se à mesma mesa que Robert Mugabe , o líder do Zimbabwe. Mas não boicota: o Reino Unido estará representado na cimeira e Gordon Brown escreveu a desejar sucesso à realização. Robert Mugabe Herói africano da luta pela independência, o ditador Robert Mugabe e a União Europeia mantêm um conflito que quase ia inviabilizando esta cimeira. Portugal acabou a convidar Mugabe pagando o preço da ausência de Gordon Brown. Líder da União Nacional Africana do Zimbabwe - Frente Patriótica (Zanu-PF). Está no poder há quase três décadas. Tem 84 anos. Tem vencido todas as eleições presidenciais sob acusações de fraude. É alvo de sanções. Nicolas Sarkozy Já se prontificou a fazer também a sua cimeira com África, quando presidir à União Europeia, o que acontecerá no segundo semestre de 2008. Lançou há dias a proposta para um diálogo mais aprofundado entre a Europa e os países do Magrebe.

Mundo

A cimeira Europa-África

O empenhamento declarado pelo Governo português no sentido de, no período da sua presidência europeia, realizar uma cimeira Europa- África em que se inicie o diálogo renovado, com perspectivas reformuladas, que inspira o fim do modelo dominante, é desafiante, inadiável, e de risco assumido. Trata-se certamente de impedir a reanimação em curso do capital de queixas da colonização europeia, de corrigir a deriva da perspectiva ocidental de olhar para a África como um território apenas útil, de travar a corrente de migrações descontroladas. Foram divulgadas críticas, de inspiração mercantilista, a esta proposta que justamente assume o objectivo de substituir a visão do petróleo, dos diamantes, dos metais raros, como objectivo estratégico de apropriação de utilidades, pela assunção de que é um vasto território povoado no qual os direitos humanos e o desenvolvimento sustentado são parcela importante do programa do Milénio, programa que ou consegue um dinamismo sem exclusões ou terá um percurso sempre tropeçante em perigosos acidentes para a paz geral.