cimeira da nato

Raúl M. Braga Pires

A NATO no Magrebe/Sahel (depuração)

Na continuação do artigo que publicámos esta semana sob o título NATO no Magrebe/sahel: uma questão de sobrevivência, uma possibilidade, e sendo públicos o acordado e decidido na Cimeira NATO de Madrid, que terminou ontem e que se pode resumir à aprovação das candidaturas da Finlândia e da Suécia e a um novo conceito estratégico, que define a Rússia como "a maior e mais directa ameaça à segurança da Aliança Atlântica", quando no conceito estratégico anterior se definia (a Rússia) enquanto parceiro estratégico, termina com o limbo da indefinição do inimigo objectivo, desde o fim da guerra fria. Desde 1991 até ontem o Ocidente/NATO andou meio perdido no "nevoeiro do consumo", desde o imperativo de estancar o tribalismo eslavo, sem aspas, na ex-Jugoslávia (1991-2001), passando pela "guerra humanitária de Clinton" (Somália, 1993), até à intervenção humanitária, também sem aspas, na Líbia (2011). A Rússia, para muitos "economicamente falida e militarmente obsoleta", como respondeu um colega de curso num exame oral, com chumbo garantido dada a leitura, volta a recentrar o já esquecido e quase científico poder centrípeto da hinterlândia. Moscovo, no centro da Eurásia (a maior massa de terra do planeta), com mapas nas paredes das salas de aula que não deixam dúvidas sobre a sua centralidade, nunca escondeu a sua vontade e poder de sucção da periferia. Por isso mesmo veem no Cabo da Roca a "cabeça da Europa" e não as "nádegas", como nós!