Best of DN 2018

Das ruas do Bairro Alto a Miami: Alberto Carvalho está a mudar a educação nos EUA

Pela América do tio Silva

Dormiu na rua em Lisboa, está a mudar a educação nos EUA

A 28 de fevereiro, o superintendente das escolas do terceiro maior agrupamento americano era chamado a dirigir o sistema educativo de Nova Iorque, o maior do país. Recusaria o cargo para continuar o trabalho em Miami-Dade, a uma vida de distância do Bairro Alto, onde cresceu - mas sempre consciente do que é viver com muito pouco, até sem um teto. Neste verão o DN republica algumas das reportagens integradas na rubrica sobre portugueses e luso-americanos de sucesso Pela América do Tio Silva. Este artigo foi publicado originalmente a 30 de fevereiro de 2018)

Best of DN 2018

'Famílias Reais dos Nossos Dias': "Todos mal casados"

José de Bouza Serrano serviu como diplomata em vários países da Europa. Na Holanda, onde foi embaixador, assistiu à entronização do atual rei, Guilherme. Nesse dia, em 2013, decidiu escrever um livro sobre as cabeças coroadas da Europa, feita de casamentos que nunca se realizariam à luz das regras do Almanaque de Gotha. (Artigo originalmente publicado a 26 de novembro de 2018)

Best of DN 2018

Marques Mendes sabe tudo? Como o político passou a guru

Político-comentador no prime time que Marcelo deixou vago, foi a TV que lhe deu notoriedade, mas é a rede privilegiada de acessos - entre os quais Costa e Marcelo - que lhe dão a informação para marcar as semanas. Como se prepara o jurista e ex-político que hoje vai falar de Joana Marques Vidal. Vai uma aposta? (artigo publicado originariamente a 26 de agosto de 2018)

Best of DN 2018

"Há cerca de 10 mil navios afundados em toda a costa"

Aos 48 anos, o arqueólogo subaquático Alexandre Monteiro, da Universidade Nova de Lisboa, tem muitas histórias para contar. São histórias de naufrágios de naus e galeões, de descobertas inesperadas, de sustos e de lutas contra os piratas modernos: os caçadores de tesouros. (Artigo originalmente publicado a 14 de agosto de 2018)

Best of DN 2018

Como tornámos os fogos um inimigo tão assustador

O primeiro incêndio com mais de dez mil hectares de área ardida em Portugal foi em 1986. Em pouco mais de 30 anos entrámos numa "nova geração" de megafogos, com dois a consumirem acima de 40 mil hectares de floresta, matos, vidas. Do outro lado do Atlântico, a Califórnia arde numa área que faz 12 Lisboas. Como é que o fogo se tornou o nosso maior inimigo? Será este o novo normal? (Artigo publicado originalmente a 12 de agosto em 2018)