BCE - Banco Central Europeu

Afonso Camões

Do ódio ao ressentimento

No canto mais sinistro do nosso imaginário estarão certamente gravadas aquelas cenas de acidentes rodoviários em câmara lenta, feitas com manequins no lugar de humanos. Observamos o carro a embater lentamente contra um muro para, numa singular mistura de tragédia e imunidade, nos tornarmos os espectadores do choque frontal que estilhaça os vidros, prensa a chaparia e arremessa os corpos de plástico para fora. A função dessas imagens de campanha preventiva, pretensamente pedagógicas, seria alertar-nos, em tempo, para o perigo das más condutas de quem conduz, enquanto ainda não ocupamos o lugar daqueles manequins impessoais, produzidos para serem destruídos.

Sebastião Bugalho

A crise de coragem

Na sua história económica do Reino Unido, Duncan Weldon introduz o livro com uma "conhecida, e muito antiga, piada irlandesa". Um turista pede direções a um local para encontrar o seu caminho e este responde-lhe: "Eu se fosse a si não começava por aqui". Weldon, um dos mais originais e argutos jornalistas na Grã-Bretanha, conta a saga de 200 anos de economia sem esquecer o ensinamento da graça: quando vivemos um tempo, não somos nós que escolhemos o peso que o passado exerce sobre ele. Dito de outro modo: quando escolhemos um destino, raramente temos o luxo de decidir o nosso ponto de partida - mesmo que o cómico irlandês tivesse razão e, realmente, não fosse grande ideia começar por ali.