ANTÓNIO FERRO

Opinião

Voando sobre uma velha e hoje tão necessária "entrevista" 

Esta semana, o DN não publicou, republicou a entrevista dada por Adolfo Hitler a António Ferro, um nome grande deste jornal. O pretexto foi uma efeméride feliz, festejam-se os três quartos de século do suicídio de Hitler, e a entrevista foi feita há 90 anos. Repita-se, pois, a "Agitada e sensacional entrevista com Adolfo Hitler, chefe dos nacionais-socialistas", como dizia a manchete original do DN, num domingo de novembro de 1930 - e repita-se tantas vezes quanto, falte ou não como o pão para a boca, o bom jornalismo é sempre pão.

Premium

história

A "impressionante" entrevista de Mussolini ao Diário de Notícias

Primeiro-ministro de Itália desde 1922, autodesignando-se Duce desde 1925, Benito Mussolini deu uma entrevista ao jornalista António Ferro, publicada no DN de 6 de dezembro de 1926. Fascista, vivia uma época de apoio popular por causa das obras públicas. Estava longe de se imaginar que um dia levaria a Itália para o Eixo, fazendo-a aliada da Alemanha nazi. Mussolini esteve no poder até 1943 e foi executado por resistentes antifascistas italianos em abril de 1945, já perto do final da Segunda Guerra Mundial.

OS DIAS EM QUE O DN CONTOU

As confissões de Salazar a António Ferro

De 19 a 23 de dezembro de 1932, o DN publicou o resultado de "cinco conversas" de António Ferro com Salazar, nesse ano guindado a presidente do Conselho. Terminando a 24 com um post-scriptum/manchete que compara o ditador ao infante D. Henrique e finaliza com "deixemo-lo trabalhar", as "conversas" são ainda assim um documento extraordinário, no qual Salazar defende a tortura e a censura e admite querer vergar o País à sua visão pessoal