1864

Halloween

Minha mãe preta era uma bruxa

Minha mãe preta era uma bruxa. O rosto coalhado de rugas e a boca sem dentes. Uma índia cuspida do mato no meio da cidade, como ela mesma dizia, antes de soltar a gargalhada infernal. O nome dela era Jurema, "espinho suculento" em tupi-guarani, a língua dos caetés, povo selvagem do litoral brasileiro. Selvagem e antropófago. Os caetés devoraram dom Sardinha, religioso nascido em Évora, primeiro bispo do Brasil. Não só ele, mas toda a desafortunada tripulação da nau encalhada no São Francisco. Quem mandou ter nome de peixe? Melhor sorte conheceu dom Leitão, o substituto do bispo. Escapou ileso. Vai ver os caetés não gostavam de porco.