152º aniversário

Pedro Marques Lopes

As autárquicas, a geringonça e o PSD

As milhares de eleições que são as eleições autárquicas têm sempre uma leitura nacional. É normal que assim seja. No fundo, os partidos que têm mais votos, mais câmaras, mais freguesias mostram que sabem gerir e representar melhor as populações. São partidos e movimentos locais ligados à grande política, a que conta, a que mais ligada está à vida quotidiana do cidadão.

João Taborda da Gama

2017 tipo 1989?

Atrasei a entrega deste texto por causa de um caso difícil de IVA que tinha em mãos. A decisão do fisco que se discute é de 1996, mas os factos começam em 1989. Dez anos de discussão administrativa, depois mais dez de tribunal. Na primeira instância o caso conheceu cinco juízes. As pessoas e os papéis envelheceram 20, 30 anos, as leis mudaram. A coisa mais fácil é culpar os juízes, preguiçosos, os advogados, matreiros, e os políticos, os piores de todos; ou então dizer que é falta de meios, porque em Portugal é sempre falta de meios, nunca é falta nem de princípios nem de fins, é sempre de meios.

André Macedo

O que fizermos juntos

Todas as previsões estão tingidas pela cor da fraude. O cérebro humano deseja a certeza e vive em carência permanente. Alimentá-lo com números de muitas casas decimais é fazer-lhe cócegas onde ele é mais sensível, é piscar-lhe o olho, é sussurrar-lhe ao ouvido e suspirar longamente. A economia vai crescer, o desemprego cair, o consumo aumentar, as exportações rebentar a escala. Tudo tão certo e evidente, tudo tão bem ilustrado por gráficos extraordinários, curvas que realizam aspirações e se multiplicam em prosperidade para todos nós. Só dá mesmo para acreditar.

Tony Blair

Salvando o centro

Não há dúvidas sobre as ondas de descontentamento e raiva que varrem a política ocidental. O Reino Unido votou para deixar a União Europeia depois de quatro décadas de adesão, comprometendo todas as intrincadas relações comerciais e políticas que uma relação tão longa criou. Contra todas as previsões dos especialistas políticos, Donald Trump ganhou a presidência dos Estados Unidos, algo que a classe política achava praticamente inconcebível. Em toda a Europa estão a surgir novos partidos políticos, todos baseados em variações sobre o mesmo tema: o poder político instituído ignorou-nos e nós vamos correr com ele em protesto.