Yoga, dança e desporto convidam os lisboetas a ir aos parques

As atividades gratuitas vão decorrer em dez parques da cidade e prolongam-se até setembro, sempre ao sábado. No ano passado, participaram na iniciativa cerca de 13 500 pessoas

Nasceu em meados do século XVIII quando D. João V mandou construir uma convento e um palácio para sua residência em terrenos agrícolas então às portas de Lisboa; acolheu, mais de um século depois, o ateliê de pintura de D. Amélia e, no ano passado, foi descoberto por muitos lisboetas que não quiseram perder a oportunidade de passar uma tarde em família no parque com uma cascata e três lagos rodeados por espécies exóticas. Esta relíquia é a Tapada das Necessidades, que volta a integrar o Lisboa Vai ao Parque, uma iniciativa que a partir de hoje leva as artes marciais, a dança ou os jogos tradicionais a dez espaços verdes da capital. As atividades, gratuitas, vão decorrer sempre ao sábado e vão prolongar-se até 24 de setembro.

No ano passado, cerca de 13 500 participaram na iniciativa, mas Jorge Máximo, vereador do Desporto, acredita que, nesta segunda edição, o número será ultrapassado e não apenas porque serão mais os parques abrangidos. "Neste ano, a frequência vai ser semanal", adianta ao DN o autarca, ainda que, tal como em 2015, apenas dois ou três espaços tenham atividades em cada um dos dias do evento. Hoje, a animação chega ao Vale do Silêncio, nos Olivais, ao Parque da Quinta das Conchas, no Lumiar, no Parque Bensaúde, em Benfica, e na frente ribeirinha de Belém. O programa completo está já disponível no site da Câmara Municipal de Lisboa. O yoga, o karaté, o voleibol e os jogos tradicionais são algumas das atividades disponíveis, a par de um espaço dedicado aos mais pequenos.

"O Lisboa Vai ao Parque é um programa de incentivo ao usufruto dos espaços verdes da cidade de forma lúdica e em família, promovendo hábitos de vida saudável", explica Jorge Máximo, frisando que, na edição do ano passado, foram muitas as pessoas que descobriram, por exemplo, a Tapada das Necessidades. O Parque Moinhos de Santana, onde ainda existem moinhos, o Jardim da Cerca da Graça, inaugurado há menos de um ano, e o Parque da Mata da Madre de Deus, marcado, naturalmente, pela concentração de árvores são alguns dos espaços que o autarca acredita que, este ano, serão visitados pela primeira vez por um grande número de pessoas.

A iniciativa conta com o contributo de mais de 50 entidades, entre as quais juntas de freguesia e associações e federações desportivas, e o objetivo é que quem nela participar fique com vontade de regressar. O programa prolonga-se até 24 de setembro, embora seja interrompido em agosto, por ser o mês em que, habitualmente, Lisboa fica mais vazia, à exceção das áreas turísticas.

Quatro corridas até setembro

Já para quem prefere uma maior atividade física, está a decorrer, também até 24 de setembro, o Circuito dos Parques de Lisboa Brio, uma iniciativa que passa pela realização de cinco corridas para miúdos e graúdos em diversos locais da cidade. A primeira foi a 9 deste mês, no Parque Oeste, as restantes serão no próximo dia 7 e a 11 de junho, 9 de julho e 24 de setembro, respetivamente em Monsanto, na Quinta das Conchas, no Parque das Nações e no Parque da Bela Vista.

De acordo com o comunicado enviado pela autarquia quando da apresentação do evento, "todos os participantes recebem um kit com várias ofertas, um dorsal com chip e uma medalha/peça de puzzle" em cada corrida. Se completarem as cinco provas, os participantes terão direito, no final, a "uma T-shirt alusiva" ao programa.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG