Um terço dos jovens nos centros educativos bebeu e consumiu drogas

Relatório refere que jovens têm hábitos de consumo anteriores e mais nocivos. Parte dos crimes foram cometidos sob efeito de álcool ou drogas

Mais de um terço dos jovens que estão nos centros educativos consumiram álcool ou drogas durante o internamento. Cerveja, bebidas espirituosas e canábis foram as principais substâncias consumidas, revela o inquérito sobre Comportamentos Aditivos em Jovens Internados em Centros Educativo, apresentado esta sexta-feira.

Segundo o trabalho elaborado pelo Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD), 37% dos jovens declaram que já consumiram pelo menos uma vez uma bebida alcoólica após o início do internamento e 36% que já consumiram substância ilícitas.

O inquérito foi mais além e dividiu os consumos durante o internamento em consumos dentro dos centros e fora destes, já que os jovens têm autorização de saídas para o exterior durante o fim de semana e férias. Assim, "34% já haviam consumido bebidas alcoólicas fora do centro educativo, 10% dentro. Por sua vez, 26% já haviam consumido substâncias ilícitas fora do centro educativo e 23% dentro".

A cerveja e as bebidas espirituosas foram as principais bebidas alcoólicas ingeridas, enquanto o consumo de drogas incidiu quase em exclusivo na canábis. O SICAD salienta, contudo, que os consumos desceram após o início do internamento.

Em comparação com os jovens que estão no ensino regular público, os que foram internados nos centros educativos já apresentavam padrões de consumo de álcool e drogas superiores e mais nocivos. "93% já experimentaram bebidas alcoólicas e 89% já consumiram substâncias ilícitas. Nos 12 meses anteriores ao internamento, 82% consumiram bebidas alcoólicas e 80% substâncias ilícitas. Por sua vez, nos 30 dias anteriores, 72% consumiram bebidas alcoólicas e 68% substâncias ilícitas.

Sob a influência de droga e álcool quando cometeram os crimes

De acordo com o inquérito, metade dos jovens internados em centros educativos admitiu já ter tido problemas relacionados com os seus consumos: "atos de violência (42% devido a substâncias ilícitas e 41% a bebidas alcoólicas), seguido dos problemas graves de rendimento na escola/trabalho (30% devido a substâncias ilícitas e 22% a bebidas alcoólicas) e dos problemas de comportamento em casa (29% devido a substâncias ilícitas e 22% a bebidas alcoólicas)".

Roubo, furto e ofensa à integridade física são os principais crimes que levaram estes jovens ao internamento. O estudo releva que "65% dos jovens cometeram pelo menos parte dos crimes sob o efeito de bebidas alcoólicas ou de substâncias ilícitas: 34% estiveram por vezes sob o efeito de bebidas alcoólicas, 8% sempre e 45% estiveram por vezes sob o efeito de substâncias ilícitas, 15% sempre".

Mais de 65% dos jovens disseram que cometeram os crimes para terem dinheiro ou bens, 40% pela diversão/adrenalina e 33% por motivações ligadas ao consumo de álcool e drogas.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG