Um manual para crianças vegetarianas

O regime alimentar é indicado para os mais jovens, mas é necessário o acompanhamento de profissionais de saúde

Há uma escola e um jardim-de-infância do agrupamento da cidade do Entroncamento onde desde fevereiro são preparadas três refeições vegetarianas diariamente. São para a Maria, de 6 anos, o José, de 5, e a Júlia, de 4. Os três são filhos de Ana Castro, vegetariana há quase 13 anos e vegan há três. "Quase todos os dias recebo pedidos de informação sobre alimentação vegetariana para crianças", conta ao DN a mentora do projeto Sabor Fazer. À Direção-Geral da Saúde chegam também cada vez mais dúvidas sobre o tema, tanto de famílias como de profissionais de saúde e escolas, o que levou ao lançamento de um manual sobre alimentação vegetariana para crianças e adolescentes.

A ferramenta, criada no âmbito do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável e publicada ontem, fala sobre os cuidados a ter quando as crianças e adolescentes seguem este padrão alimentar, de forma a que o seu crescimento não seja comprometido. Pedro Graça, diretor do programa, explica que o objetivo não é promover a alimentação vegetariana, mas dar informação para que sejam feitas as melhores escolhas. "Se for bem planeada, a dieta vegetariana pode ser indicada para todas as idades", explica.

Tem benefícios, mas como qualquer regime também acarreta riscos, "associados sobretudo à má escolha dos alimentos e à falta de informação." Por exemplo, como há carência de iodo, é recomendada a ingestão de sal iodado. Para maximizar a absorção de ferro os alimentos ricos neste mineral devem ser combinados com outros ricos em vitamina C. Relativamente à vitamina D, as crianças e os adolescentes que não consomem alimentos fortificados ou têm uma exposição solar limitada devem recorrer à suplementação. E porque não existem muitas fontes de vitamina B12 neste regime, também pode ser necessário recorrer a bebidas fortificadas ou suplementos.

Consoante as idades, as necessidades das crianças são diferentes. Por exemplo, as crianças de 3 anos precisam de uma proporção de gordura superior às que têm entre 4 e 18. Mas necessitam, por exemplo, de uma percentagem menor de proteína. "Compete ao profissional de saúde perceber quais são as necessidades ao longo da vida da criança", destaca Pedro Graça. Tal como no manual genérico sobre vegetarianismo lançado no ano passado, a DGS apela ao uso de produtos vegetais nacionais e sazonais.

Contactado pelo DN, o nutricionista Nuno Borges, da Associação Portuguesa dos Nutricionistas, reforça que "a dieta vegetariana poderá ser adotada pelas crianças desde que siga todos os preceitos de forma a fornecer os nutrientes necessários e nas quantidades recomendadas." Fala de uma "adesão crescente" a este regime, que pode ser seguido "desde sempre", com os devidos cuidados.

Exclusivos