Troço da principal via de circulação da Madeira encerrado por razões de segurança

Não é possível circular entre as zona de São Martinho e Pestana Júnior devido à instabilidade das construções atingidas pelos incêndios

O Governo Regional da Madeira informou hoje que o troço da via rápida, a principal artéria da ilha, entre a zona de São Martinho e Pestana Júnior está encerrado por razões de segurança, devido aos incêndios no Funchal.

Segundo uma nota divulgada pela secretaria regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus, a situação está relacionada com o facto de as chamas terem atingido "algumas construções e habitações de um talude sobranceiro ao nó dos Viveiros".

A mesma informação refere que, "após o término do trabalho dos bombeiros, os técnicos que se deslocaram para o terreno verificaram a existência de problemas profundos nas coberturas das construções e numa das paredes das moradias", uma situação que vem inviabilizar a circulação na via.

Também menciona que esta é "uma zona que já anteriormente causou problemas de queda de materiais na via, tendo originado o fecho daquela secção da via rápida, noutras ocasiões".

No terreno estão técnicos da direção regional das Estradas, apoiado por elementos da Câmara do Funchal e da concessionária, a Via Litoral.

O executivo insular prevê que, "se não persistiram questões de instabilidade e após a remoção das coberturas", a via rápida seja reaberta ao final do dia de hoje.

Além deste troço, segundo o governo madeirense, estão igualmente encerradas as estradas regionais 103 (entre o Monte e Poiso), a 109 (entre as rotundas dos Viveiros e da Fundoa) e a 209 (entre os Canhas e o Paul da Serra).

Por seu turno, a secretaria regional do Ambiente e Recursos Naturais divulgou que o Jardim Botânico do Funchal está fechado.

Também a estrada florestal das serras de Santo António, entre a Eira do Serrado e o Pico do Areeiro, pelas mesmas razões de segurança, foi encerrada à circulação automóvel.

A Universidade da Madeira decidiu encerrar hoje o seu edifício da Penteada, "atendendo à qualidade do ar", uma situação "decorrente dos fogos em desenvolvimento" no concelho e na zona da academia insular.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG