Situação normalizada na Urgência Geral do hospital de Leiria. Acesso esteve limitado

O acesso ao serviço de urgência geral do hospital esteve limitado desde as 22:00 de terça-feira até às 08:00 de hoje. Trata-se de uma "situação gravíssima", diz Ordem dos Médicos.

A situação no serviço de Urgência Geral do Hospital de Santo André, em Leiria, onde o acesso esteve limitado desde as 22:00 de terça-feira até às 08:00 desta quarta-feira, está normalizada, informou o Centro Hospitalar de Leiria (CHL).

"A situação está normalizada e sem ocorrências durante a noite", disse à agência Lusa fonte do CHL.

Na terça-feira, o CHL, de que faz parte o hospital de Leiria, anunciou que o acesso ao serviço de Urgência Geral do Hospital de Santo André iria estar limitado naquele horário e admitiu "o possível reencaminhamento de alguns doentes para as Urgências do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra".

Na sequência desta decisão, a Ordem dos Médicos do Centro considerou, em comunicado, que o encerramento do serviço do Hospital de Santo André (Hospital Distrital de Leiria) "é insustentável".

Para o presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM), Carlos Cortes, citado na nota, "tal situação gravíssima resulta de uma gestão negligente por parte do Ministério da Saúde que pode redundar em consequências graves para a população".

"Esta situação é inédita para um hospital desta importância e configura o que está a acontecer em todo o Serviço Nacional de Saúde, uma rutura muito preocupante da sua capacidade de resposta", sublinha Carlos Cortes.

"Recorde-se que, dada a gravidade da situação que tem ocorrido no Hospital de Leiria, a SRCOM apelou recentemente à intervenção direta da Ministra da Saúde que, até ao momento, não deu qualquer resposta concreta para resolver este problema, configurando um ato de profunda negligência e irresponsabilidade para a população do distrito de Leiria", lamentou na nota divulgada na terça-feira.

"Muitas falsas urgências", diz Centro Hospital de Leiria

Segundo o CHL, esta situação deveu-se "a três razões essenciais", como o facto de "continuarem a acorrer ao CHL muitas falsas urgências".

A medida foi também justificada por as "Urgências da ADR [Área Dedicada para Doentes Respiratórios] do Hospital das Caldas da Rainha do Centro Hospitalar do Oeste terem encerrado" na segunda-feira e "estarem a ser reencaminhados doentes" para o hospital de Leiria.

Outra razão prendeu-se com o facto de ainda na segunda-feira "se ter registado o recorde desde 1 de janeiro deste ano do número de doentes atendidos no Serviço de Urgência Geral" do Hospital de Santo André "de 404 doentes, sem que tenha sido possível, não obstante todos os esforços, alocar reforços médicos necessários para uma resposta compatível".

No comunicado, o CHL reiterou o apelo para que os utentes se dirijam "ao Serviço de Urgência apenas em casos mesmo urgentes".

No dia 1 de outubro, o CHL confirmou que nesse dia "não foi possível preencher a escala de urgência de Ortopedia entre as 09:00 e as 20:00".

"Estão ortopedistas a trabalhar no hospital no internamento para apoio aos doentes internados. O pequeno e grande trauma são encaminhados para outras unidades de saúde da região e o CHL está, inclusivamente, articulado com o seu hospital de referência, o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra", explicou então o CHL, esclarecendo que esta situação foi comunicada ao Instituto Nacional de Emergência Médica e ao Centro de Orientação de Doentes Urgentes.

A situação motivou críticas do Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos.

Esta Secção da Ordem dos Médicos alertou nesse dia para a "situação grave" do hospital de Leiria, devido à falta de médicos no Serviço de Urgência, e pediu ao Ministério da Saúde a "resolução imediata do problema".

Já o SIM lamentou que "continuem sem resposta os alertas que repetidamente tem feito sobre a situação no Centro Hospitalar de Leiria".

Em 17 de setembro, o CHL anunciou o aumento do valor a pagar aos médicos generalistas para exercício de funções no serviço de Urgência Geral do hospital de Leiria, uma das medidas para "resolver as dificuldades sentidas" neste serviço que "tem registado uma forte afluência de utentes".

Então, o CHL considerava que este excesso de procura refletia a falta de resposta dos centros de saúde da região e o aumento do número de casos covid-19 na sua área de influência.

Salientando que "a ausência de alternativas para os utentes tem condicionado o funcionamento" da Urgência, o CHL reconheceu que a esta situação se soma "a efetiva e conhecida situação de escassez de recursos humanos e, em particular, de pessoal médico".

"No concurso para médicos de várias especialidades, lançado em julho, para 36 vagas, até agora só foi possível ocupar 19 vagas", lembrou naquela data o CHL, sustentando que à "dificuldade assumida das empresas externas em contratar médicos generalistas" para esta Urgência acrescia "o cansaço manifestado pelos internistas, cirurgiões e ortopedistas que, a par dos generalistas, asseguram" aquele serviço 24 sobre 24 horas, em regime presencial, todo o ano.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG