Ruas cortadas e mais polícia nas zonas da Web Summit

Polícia mobilizou dezenas de agentes fardados e à paisana. Corpo de Segurança Pessoal protege VIP. Entradas já esgotaram

Equipas fardadas, outras à civil, acompanhamento próximo dos participantes da Web Summit, Corpo de Segurança Pessoal de olho nos VIP e conselhos úteis. É esta a receita da PSP de Lisboa para a segurança da maior conferência da Europa sobre tecnologia e empreendedorismo. Ontem, a organização adiantou que as entradas já esgotaram, ou seja, foram vendidos mais de 50 mil bilhetes.

Perante a afluência de pessoas ao Parque das Nações e à Baixa de Lisboa, onde decorrerão eventos noturnos, a polícia vai reforçar o dispositivo naquelas duas zonas da cidade, entre amanhã e dia 10 deste mês, assim como no aeroporto. "Vamos ter um policiamento mais visível e outro não tão visível", explicou ao DN o comissário Sérgio Soares, porta-voz do Comando Metropolitano de Lisboa. Esquema este que passa por colocar no terreno equipas de turismo e trânsito, brigadas de Prevenção Criminal, equipas de Intervenção Rápida, equipas de Prevenção e Reação Imediata e Unidade Especial de Polícia através de todas as suas subunidades, além da Polícia Municipal de Lisboa. Também os elementos do Corpo de Segurança Pessoal foram mobilizados para acompanharem CEO de grandes empresas mundiais e representantes políticos.

A PSP refere que, a partir deste fim de semana, vão estar encerradas ao trânsito a Rua do Bojador, entre a Rotunda da Lágrima e a Alameda dos Oceanos, e a Avenida do Atlântico (zona lateral da FIL). A praça de táxis passou, a partir de ontem, a operar na antiga Praça Sony, frente à Torre Vasco da Gama. Em comunicado, a polícia deixou alguns conselhos aos participantes.

Entradas esgotadas

Entretanto, a organização da Web Summit anunciou ontem que já esgotaram as entradas para o evento, superando os 50 mil participantes. "Sempre dissemos que queríamos atingir os 50 mil participantes e decidimos fechar as vendas de bilhetes gerais. É incrível que tenhamos atingido este número apenas seis anos depois de 400 pessoas terem estado na primeira Web Summit em Dublin", disse, citado em comunicado, o presidente executivo da Web Summit, Paddy Cosgrave.

Especificamente, a Web Sum-mit espera 53 056 pessoas com entradas gerais que terão acesso aos quatro dias do evento (de 7 a 10 deste mês), o dobro das entradas registadas no evento de Dublin no ano passado. Além destas entradas gerais, são ainda esperados 19 mil jovens que têm bilhetes de um dia para o palco principal.

No total, a Web Summit espera que participem cerca de 72 mil pessoas entre empreendedores, startups, investidores de topo e jornalistas internacionais, que desde ontem começaram a chegar a Lisboa para aquela que é considerada a maior conferência global de tecnologia. Os bilhetes para a Web Summit custavam 900 euros cada um. Para jovens entre 16 e 23 anos, a organização vendeu ainda milhares de bilhetes promocionais a nove euros.

Chamada de "Davos para geeks", a Web Summit realiza-se no MEO Arena e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), e traz consigo vários eventos paralelos que juntarão os mais institucionais e os mais informais, em momentos de discussão, mas também de descontração, como a Night Summit, no Cais do Sodré, e os Pub Crawls ou a Surf Summit, que arrancou, ontem, na Ericeira.

Conselhos da PSP

Circulação

Transportes públicos. A polícia considera que a melhor forma para chegar ao Parque das Nações é de autocarro, metro ou táxi. O carro é de evitar, dada a concentração de pessoas naquela zona.

Precauções

Discrição. Nos transportes, evite ostentar objetos valiosos, como relógios, computadores, telemóveis, assim como evitar manusear à vista de todos grandes quantias de dinheiro.

Mochila/Mala

Segurança. Mantenha-as sempre fechadas e junto à parte frontal do corpo, nunca nas costas, uma vez que são alvos fáceis para furtos. Em caso de emergência ligue 217654242.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.