Ricardo Araújo Pereira emociona-se em palco ao reencontrar rapariga que venceu o cancro

Humorista não conteve as lágrimas na gala da Acreditar, a Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro, depois de encontrar rapariga que, há uns anos, lhe chamou "parvo" numa visita ao IPO

Não é comum ele ficar sem palavras mas, desta vez, Ricardo Araújo Pereira, não conseguiu conter a emoção. Aconteceu na gala da Acreditar, a Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro, onde o humorista esteve nesta semana a animar a plateia.

Convidado "mistério" da festa, Ricardo Araújo Pereira foi ele próprio surpreendido por uma pergunta vinda da plateia: "Quem é que era o mais parvo?". Uma questão que remetia para uma visita que fez há vários anos ao IPO de Lisboa, onde conheceu uma rapariga que, na altura, estava tão doente que tinha sido isolada dentro de uma "casinha de vidro".

"Foi no IPO, era uma menina chamada Marlene. Ela está cá? Não me digam que está cá?", questionou. Estava. Recuperada da doença. E foi ela que, depois de subir ao palco, acabou de contar a história do encontro entre os dois na unidade de saúde, em que chamou "parvo" ao humorista, porque estava demasiado comovido para falar.

Já recomposto, Araújo Pereira acrescentou que os dois se reencontraram passado um ano, também num evento, e que são amigos desde então.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.