Quercus alerta: Ourém tem mais um eucaliptal ilegal

Plantação não autorizada de eucaliptos inviabiliza no futuro a certificação da gestão florestal, segundo a organização

A Quercus afirmou hoje ter detetado mais uma situação de eucaliptal ilegal, instalado com destruição de pinheiro-bravo autóctone na zona de Casal do Touro, freguesia de Seiça, concelho de Ourém (distrito de Santarém).

Em comunicado, o Núcleo Regional do Ribatejo e Estremadura da Quercus afirma que a GNR de Ourém levantou um auto de notícia por crime de incêndio florestal no dia 07 de junho, que, segundo a Quercus, se deveu ao fogo colocado para eliminar os ramos sobrantes do corte raso dos pinheiros feito pelo madeireiro no terreno em causa e que alastrou a um pinhal vizinho.

"A área em causa tem cerca de quatro hectares, encontra-se junto da estrada municipal entre Seiça e o Mosqueiro e está integrada na Zona de Intervenção Florestal - ZIF de Seiça-Ourém, mas a entidade gestora desconhece quem é proprietário", afirma o comunicado.

A Quercus adianta que depois desse incêndio foi feita uma "conversão do pinhal com a mobilização destrutiva da terra, com recurso a uma escavadora giratória com balde", tendo sido plantados eucaliptos "sem autorização do ICNF" [Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas].

"Este procedimento, para além de ser ilegal, é também uma má prática que afeta negativamente a imagem da fileira do eucalipto, aumenta o risco na madeira controlada e inviabiliza no futuro a certificação da gestão florestal", afirma a nota.

A Quercus, Associação Nacional de Conservação da Natureza considera que a "recorrência deste fenómeno é impressionante, existindo diversos casos de eucaliptais ilegais que chegam a atingir os 80% das rearborizações, revelando a ineficácia do regime de arborização, a falta de regulamentação dos trabalhos dos empreiteiros, associado à escassez de meios para fiscalização".

A associação afirma que o decreto que aprova o Plano Regional de Ordenamento Florestal do Ribatejo (PROF Ribatejo) refere que, inicialmente, 34% da área florestal era eucaliptal e define, nas suas metas para 2025, a redução para os 31%.

"Embora tenham sido suspensas as metas, sem terem, entretanto, sido alterados os PROF, os eucaliptais continuam a expandir-se, com e sem autorização, contrariando o plano de ordenamento efetuado para o efeito", declara.

A Quercus diz esperar que o novo Conselho Diretivo do ICNF e o Governo "alterem as regras para que a floresta não seja gerida desta forma destrutiva, com o aumento das monoculturas que comprometem o ordenamento do território e a resiliência da paisagem do mundo rural".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...