Poluição provoca mais mortes prematuras do que os conflitos armados

Mais de 25% das mortes de crianças com menos de cinco anos estão relacionadas com a deterioração das condições ambientais

A poluição e a degradação das condições ambientais são responsáveis por 12,6 milhões de mortes prematuras por ano, um valor 234 vezes superior ao número de mortes provocado pelos conflitos armados no mundo (mais de cinco mil).

A informação consta de um relatório hoje apresentado na abertura da II Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEA-2), a instituição mais importante a nível mundial em questões ambientais que está reunida esta semana em Nairobi, Quénia.

"As nossas economias matam muitas pessoas em nome do desenvolvimento, uma em cada quatro ou cinco mortes prematuras são provocadas por nós. É o que se chama massacre ou assassínio", afirmou o diretor do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), Achim Steiner.

De acordo com o estudo, intitulado "Meio ambiente saudável, pessoas saudáveis", mais de 25% das mortes de crianças com menos de cinco anos e 23% das mortes registadas anualmente estão relacionadas com a deterioração das condições ambientais.

A maior parte destas mortes regista-se no sudeste asiático e na zona oeste do Pacífico, com 28% e 27% do número total de mortes, respetivamente. Na África subsaariana, os dados apontam que 23% das mortes registadas nesta região estão relacionadas com a poluição, enquanto no Mediterrâneo oriental o número situa-se nos 22%. Tanto na Europa, como no continente americano, a degradação das condições ambientais é responsável por 15% dos óbitos.

Segundo o mesmo documento, uma das provas que demonstram a ligação cada vez mais estreita entre o ambiente e a saúde pública é o aumento das doenças não transmissíveis ou crónicas, que matam 38 milhões de pessoas por ano, das quais 75% em países de baixos e médios rendimentos.

A poluição do meio ambiente - na origem de muitas doenças respiratórias - mata anualmente sete milhões de pessoas, das quais 4,3 milhões vivem em países em desenvolvimento com más condições de vida.

O aumento das doenças crónicas foi uma das razões que levou a UNEA a concentrar esforços neste momento na saúde da população mundial: "Temos de averiguar porque o meio ambiente é um grande problema para a saúde humana", sublinhou hoje a diretora científica do PNUMA, Jacqueline Mcglade.

As zoonoses (todas as doenças transmissíveis de forma natural dos animais vertebrados para o homem e vice-versa), como o Ébola ou o Zika, representam já 60% de todas as doenças que afetam os humanos. O tráfico ilegal de animais é uma das razões pela qual estas doenças estão a ganhar maior relevo.

A falta de acesso a água potável e a sistemas de saneamento mata por ano 842 mil pessoas por diarreia, especialmente nos países mais pobres, e a exposição a substâncias químicas tóxicas provocam 654 mil mortes. Nos últimos 20 anos, mais de 600 mil pessoas morreram na sequência de desastres naturais.

Com delegados de 173 países, a UNEA-2 vai debater esta semana em Nairobi a concretização das medidas previstas na Agenda 2030, que abrange os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU e o recente Acordo de Paris sobre as Alterações Climáticas (COP21).

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...