Pequim e Paris defendem "acordo vinculativo" em dezembro

François Hollande e Xi Jinping concordaram em "trabalhar em conjunto" para o êxito da conferência

A China e a França concordaram hoje "estabelecer um acordo ambicioso e juridicamente vinculativo" na conferência de Paris sobre o clima, acompanhado de mecanismos de verificação dos compromissos esperados, indica uma declaração conjunta dos presidentes chinês e francês.

Estes compromissos deverão ser alvo de uma "revisão completa todos os cinco anos", refere a declaração conjunta divulgada à imprensa, em Pequim, por Xi Jinping e François Hollande, que sublinharam a sua "determinação em trabalhar em conjunto" para o êxito da conferência.

A um mês do início da conferência, que deve reunir 193 países, Pequim e Paris defendem que o acordo esperado seja "juridicamente vinculativo" e "reflita o princípio das responsabilidades comuns mas diferenciadas" para limitar a subida da temperatura mundial acima dos 2º.

Pequim e Paris declaram-se "favoráveis à realização de uma revisão completa todos os cinco anos sobre os progressos alcançados" e sublinham a necessidade de um "sistema de transparência melhorado para reforçar a confiança mútua".

O Presidente chinês considerou que esta declaração comum, composta por 21 pontos, demonstra "o compromisso comum de tornar a conferência de Paris um êxito".

François Hollande afirmou tratar-se de "um passo maior" para um acordo na COP21.

"Com esta declaração, estabelecemos as condições que nos permitem antever um êxito", disse Hollande, sublinhando que "a partir de agora é possível um acordo" em Paris.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG