Pedido de resgate recorde ensombra vésperas dos Olímpicos

Sogra do milionário da Fórmula 1 Bernie Ecclestone foi raptada e agora são exigidos 33 milhões de euros pelos criminosos

A duas semanas do início dos Jogos Olímpicos há um caso que está a agravar o clima de insegurança no Brasil. O mediático sequestro da sogra do multimilionário britânico Bernie Ecclestone, de 85 anos e presidente da empresa que administra a Fórmula 1, é acompanhado de um pedido de resgate superior a 33 milhões de euros, o que traduz a maior verba alguma vez reclamada por raptores no Brasil para libertarem alguém. Ecclestone tem uma fortuna avaliada em 2820 milhões de euros, sendo apontado pela revista Forbes como um dos homens mais poderosos no mundo, à boleia da Fórmula 1. Até à hora de fecho desta edição ainda não havia rasto da vítima.

O desaparecimento de Aparecida Schunck Flosi Palmeira, de 67 anos, ocorreu sexta-feira e abalou o país. A mulher foi raptada na região de Interlagos, zona sul de São Paulo, onde reside no bairro de classe média-alta Jardim Santa Helena, tendo para ali mudado após o casamento da filha, depois de ter vivido muito tempo no humilde bairro de Santa Francisca Cabrini, também na zona sul de São Paulo.

Porém, segundo a imprensa brasileira, as autoridades têm procurado manter o silêncio sobre o assunto a menos de duas semanas do início das olimpíadas com palco no Rio de Janeiro. Aliás, citado pela AFP, um porta-voz da Secretaria de Segurança de São Paulo avançou que as autoridades não podem comentar nem confirmar o tema, alegando que "com supostos casos de sequestro é assim que atuamos para proteger a vida das pessoas que possam estar em risco".

Ainda assim, e enquanto um representante de Bernie Ecclestone em Londres também se remete ao silêncio, a TV Globo avançou que os supostos sequestradores têm mantido contacto com a família de Aparecida e que as autoridades estão a investigar. Já a revista Veja publicou que os raptores exigem o equivalente a mais de 33 milhões de euros, que deverão ser entregues em libras esterlinas e divididos em quatro bolsas.

Segundo depoimentos de vizinhos da vítima à comunicação social local, a sogra do multimilio-nário terá sido sequestrada por um grupo de homens que se fez passar por uma equipa de serviço de entregas. Terão aberto a porta da casa de Aparecida, onde entraram transportando uma caixa nas mãos. Manietaram a empregada, vindo a deixar a caixa no interior da habitação, obrigando depois a vítima a sair no seu próprio carro já sob as ordens dos sequestradores.

A vítima é a mãe da advogada brasileira Fabiana Flosi, de 38 anos, que, segundo a edição de ontem do The Times, tem estado acompanhar o processo a partir da sua casa em Londres. Contudo, o jato particular do casal estará preparado para voar rumo ao Brasil a todo o momento, de acordo com a mesma publicação, caso as autoridades considerem que a presença de Ecclestone no país possa ser determinante para ajudar a libertar a sogra.

Fabiana conheceu Ecclestone quando trabalhava na organização do Grande Prémio de Fórmula 1 que teve lugar, precisamente, no autódromo de Interlagos em 2009. Fabiana viria a divorciar-se do seu marido, um médico com quem vivia em São Paulo, enquanto Ecclestone travou um polémico e mediático divórcio no Reino Unido com Slavica Radic, uma ex-modelo croata com quem esteve casado cerca de 25 anos. A separação custou a Ecclestone aproximadamente 800 milhões de euros. O multimilionário viria a casar com Fabiana em 2012.

Os sequestros chegaram a ser muito comuns no Brasil no final dos anos 1990 e início da década de 2000, tendo atingido o auge entre 2001 e 2002, ano em que só no estado de São Paulo seriam sequestradas 321 pessoas. Uma em cada 27 horas. Mas houve um só dia em que a Delegação Anti-Sequestro se debateu com um total de 43 raptos, onde esteve incluído o publicitário Washington Olivetto. Estaria em cativeiro 53 dias com os raptores a exigirem o equivalente a cerca de 16 milhões de euros.

Muitos dos sequestros no Brasil vitimaram familiares de jogadores de futebol. A mãe de Robinho foi raptada em 2004, tendo ficado em cativeiro 41 dias. O pai de Romário foi sequestrado em 1994, estando desaparecido sete dias, enquanto a irmã de Hulk esteve sequestrada durante 24 horas em 2012.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG