Paris enfrenta maior pico de poluição no inverno dos últimos dez anos

Autoridades impuseram restrições à circulação de veículos e os transportes públicos são gratuitos

Paris está a enfrentar o maior e mais prolongado pico de poluição de inverno da última década, indicou esta quarta-feira a Airparif, a agência que mede os níveis de poluição na capital francesa, citada pela AFP.

O fenómeno deve-se à combinação das emissões poluentes dos veículos com o fumo das lareiras domésticas, acentuado pelas condições climatéricas: nos últimos dias, o vento praticamente não soprou em Paris, pelo que os fumos não dispersaram e mantiveram-se sobre a metrópole.

Hoje, pelo segundo dia consecutivo, as autoridades impuseram restrições ao trânsito: os automóveis com matrículas pares foram proibidos de circular entre as 5:30 da manhã e a meia-noite desta quarta-feira. No dia anterior, a mesma proibição fora aplicada aos carros com matrículas ímpares. Os condutores apanhados a transgredir eram multados num valor até 35 euros. Só na terça-feira, 1700 motoristas foram multados.

Já os transportes públicos de toda a cidade, desde o metro aos autocarros, funcionaram gratuitamente, para encorajar os residentes a deixar os veículos estacionados em casa. Porém, a subida no número de utentes fez com que o serviço sofresse atrasos e perturbações e, já esta quarta-feira, a circulação esteve interrompida na Gare du Nord depois de uma falha de eletricidade.

No Twitter, a presidente da Câmara Municipal de Paris colocou uma imagem da cidade coberta pela névoa, escrevendo na legenda que o pico de poluição é a prova de que é necessário reduzir o número de automóveis no centro da cidade.

De acordo com as autoridades, a circulação de veículos de forma alternada, levando em conta os números das matrículas, poderá ser prolongada: se não houver alterações na meteorologia nos próximos dias, é provável que os gases poluentes continuem densos e a pairar sobre Paris.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG