Palácio Fronteira. Uma casa particular que é monumento nacional

Em São Domingos de Benfica, com o Parque Florestal de Monsanto logo ao lado, o Palácio dos Marqueses de Fronteira ainda hoje se mantém à distância do bulício da cidade

Não é que seja desconhecido. O Palácio Fronteira está nos guias turísticos, o que é facilmente percetível pelo número de estrangeiros que acompanham cada visita guiada. Portugueses é que nem por isso - a Fundação das Casas de Fronteira e Alorna chegou a fazer visitas só para nacionais, que acabaram por falta de público.

Em São Domingos de Benfica, com o Parque Florestal de Monsanto logo ao lado, o Palácio dos Marqueses de Fronteira ainda hoje se mantém à distância do bulício da cidade. É assim desde sempre. Quando foi construído, ainda no século XVII, o edifício foi pensado como uma casa de férias, um pavilhão de caça para D. João de Mascarenhas, 2.º conde da Torre e 1.º marquês de Fronteira - título atribuído em 1670 por D. Pedro II (então regente do reino), sensivelmente na mesma altura em que é iniciada a construção do palácio. São Domingos de Benfica era campo, estava para lá dos arrabaldes de Lisboa - como faz notar o guia da visita, o palácio ficava à distância de três horas a cavalo do Chiado, onde se situava a residência da família. Mas o terramoto e o tsunami de 1755 vieram mudar isso. A casa no Chiado ficou reduzida a escombros, a de Benfica passou sem grandes estragos. A família mudou-se para lá.

Pensado como uma casa de verão, o palácio sofreu então consideráveis alterações. Foi acrescentada uma nova ala, para acolher toda a família, as varandas foram fechadas para ganhar espaço, os tetos brancos passaram a ser trabalhados em estuque. Mas é sobretudo a azulejaria que se destaca nas paredes do palácio, com destaque para os que, na designada Sala das Batalhas, retratam oito episódios das guerras da Restauração - em que João de Mascarenhas se distinguiu, ao que não foi alheia a atribuição do título de marquês de Fronteira. Os azulejos têm um pouco comum registo de relato das vitórias portuguesas sobre os espanhóis (obviamente). Logo a seguir está a Sala dos Painéis, com um conjunto de azulejos holandeses do século XVII, e duas salas, menos monumentais mas mais intimistas, que são como que uma espreitadela para a ala privada do edifício. É aqui que se encontra a mesa de costura que terá sido oferecida por Maria Antonieta à 4.ª marquesa de Alorna (D. Leonor, poetisa, um dos membros mais "mediáticos" da história da família, que cruza as casas nobiliárquicas Fronteira, Alorna e Távora).

São também os azulejos que dominam os exteriores, seja no terraço ou no tanque monumental. No terraço estão painéis representando as sete artes liberais, acompanhados por estátuas de divindades gregas. Um conjunto grandioso acompanhado por pequenos painéis satíricos, onde gatos e macacos surgem humanizados. É a partir do terraço que se tem acesso à capela, de construção anterior ao próprio edifício. Junto à capela (e não só)a decoração faz-se com embrechados. Reza a história (em rigor, reza a lenda) que, tendo convidado D. Pedro para a inauguração do palácio, o 1.º marquês de Fronteira mandou partir toda a loiça que se usara no banquete. E foi assim que as paredes acabaram decoradas com pedaços de porcelana, além de pedras e conchas. Do terraço acede-se ao chamado jardim de cima. Mas o mais monumental, imagem de marca do Palácio de Fronteira, é o jardim de baixo, mais conhecido como jardim formal.

Feito já no século XVII, à imagem dos jardins italianos do século anterior, trata-se de um enorme conjunto de canteiros de buxo, dominado a sul por um lago de 48 por 18 metros. Ladeado por escadarias, é encimado por uma galeria de esculturas com os bustos dos reis portugueses. Este jardim foi um dos 250 melhores, reunidos no livro The Gardener"s Garden, do qual saltou para o top 10 da edição espanhola da revista Condé Nast Traveler, classificado como "simplesmente espetacular" - e aí está outra explicação para o número de visitantes estrangeiros.

Residência particular e monumento

É no mínimo invulgar, mas o Palácio de Fronteira vive na dupla condição de residência familiar e monumento nacional (classificado em 1982). A família Mascarenhas continua a morar ali, na ala (não visitável) que foi acrescentada no século XVIII ao edifício original do palácio, e da qual se sabe apenas que será menos monumental do que as salas visitáveis. Mas mesmo a parte aberta ao público durante as manhãs (e que também é usada em eventos culturais, como concertos) é depois fechada, ficando disponível para uso dos residentes.

O Palácio de Fronteira abriu as suas portas por ação de Fernando Mascarenhas, 12.º marquês de Fronteira (e mais uma boa mão-cheia de outros títulos nobiliárquicos), falecido em 2014. Também conhecido como o "marquês vermelho" (opositor ao Estado Novo, usou o palácio como palco de reuniões clandestinas e chegou a ser chamado à sede da PIDE), criou no final dos anos 80 a Fundação das Casas de Fronteira e Alorna (atual proprietária e que gere o palácio), abrindo o espaço a iniciativas culturais, científicas e educativas. Culto, conversador nato, mecenas das artes, foi do gosto do marquês pelo bridge que surgiram os torneios que se realizam mensalmente no palácio, onde quer as salas interiores quer os espaços exteriores dos jardins podem ser alugados para eventos particulares. Quanto às visitas, a entrada custa nove euros e o acesso ao jardim custa três.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.