Padre ligado à gestão da Casa do Gaiato tinha vida de luxo

O sacerdote, constituído arguido esta manhã pela PJ, terá adquirido casas e carros de luxo com desvio de verbas. Uma das cinco IPSS a que esteve ligado é a Casa do Gaiato. Estão a decorrer dez buscas

Inspetores da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) da Polícia Judiciária foram esta manhã à casa paroquial de um padre que foi constituído arguido por peculato (desvio de dinheiro público por funcionário) e que participou na gestão de cinco Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) do Patriarcado de Lisboa, entre elas a Casa do Gaiato. Segundo apurou o DN com fonte policial, o sacerdote ostentava sinais de riqueza que terá sido adquirida com milhares de euros desviados: terá comprado casas e carros de luxo. Terá participado na gestão e chegou a ser presidente de algumas IPSS.

O padre não virá a ser detido, apenas identificado e constituído arguido. O segundo arguido pelo crime de peculato nesta operação é um dirigente de uma das cinco IPSS visadas.

A UNCC está a realizar dez buscas em instalações religiosas em Loures e outros locais da zona Oeste de Lisboa.

A operação "Veritas", iniciada em meados de 2014, "tem por objeto a presumível atos de gestão fraudulenta de entidades privadas com utilidade pública consubstanciadas em apropriações indevidas para aquisição de bens de luxo", comunicou a Polícia Judiciária.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.