Os mosquitos que assustam o mundo

Na ausência de vacinas, a forma mais eficaz de proteção é evitar o contacto com os mosquitos que transmitem as doenças

Têm nomes complicados: Aedes aegypti, Aedes albopictus e Anopheles gambiae. Transmissores de malária, dengue, febre-amarela, vírus do Nilo e zika, estes são os três mosquitos que atualmente mais assustam o mundo. Transmitem doenças para as quais não há vacinas e que matam mais de um milhão de pessoas por ano e, por isso, são considerados os animais mais perigosos do planeta. Neste momento, as atenções estão focadas no Aedes aegypti, transmissor do vírus zika, que pode já ter infetado mais de um milhão de pessoas no Brasil. A Organização Mundial de Saúde, que marcou uma reunião de emergência para segunda-feira, estima que três a quatro milhões de pessoas possam ser infetadas durante este ano.

Existem mais de 3500 espécies de mosquitos, diz a BBC, mas somente as fêmeas de 6% das espécies se sentem atraídas pelo sangue humano. Muitas transportam agentes que causam doenças nos humanos, algumas delas responsáveis por milhões de mortes em todo o mundo. Segundo Frances Hawkes, do Instituto de Recursos Naturais da Universidade de Greenwich, "metade da população mundial está em risco de sofrer de uma doença transmitida por um mosquito".

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Exclusivos