ONU rejeita mas Europa continua a ter a "roda dos enjeitados"

Ressurgimento no século XXI de prática da Idade Média preocupa Comité dos Direitos da Crianças. Portugal recusa a "roda"

Uma abertura nas paredes de conventos, mosteiros e orfanatos para as pessoas abandonarem as crianças é a realidade da Polónia. Uma espécie de "roda dos enjeitados", copiada da Idade Média, a que chama "janela da vida" e que tem apoio do provedor da criança do país. O Comité dos Direitos da Crianças das Nações Unidas rejeita e mostra-se preocupado com o ressurgimento destas "caixas" na Europa. Em Portugal, o modelo é recusado, porque "há alternativas e estamos no século XXI".

Na Polónia, existem dezenas de "janela da vida", dispositivos para que os pais possam abandonar anonimamente os filhos, notícia a Rádio Polaca. Entre os que defendem o modelo, está o provedor da criança polaco, Marek Michalak. Reconhece que tais "escotilhas" não são a melhor solução e que seria preferível "uma mãe recorrer a um hospital, a um tribunal ou a uma agência de adoção. No entanto, se uma criança for abandonada numa floresta ou em outro lugar perigoso, é claro que a melhor escolha é a "janela da vida", justifica. Acrescenta que quem recorre a este mecanismo pode fazê-lo por não conhecer as alternativas para entregar a criança ou por medo.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG