Número de elefantes em África caiu 30% entre 2007 e 2014

A população de elefantes está ameaçada devido à caça furtiva

A população de elefantes nas savanas de África sofreu um decréscimo de 30% entre 2007 e 2014, sobretudo devido à caça furtiva, segundo um recenseamento pan-africano inédito divulgado esta quarta-feira, realizado através do sobrevoo de 18 países.

"Fizemos um inquérito de dimensões colossais e o que descobrimos é profundamente preocupante", declarou Paul Allen, cofundador da Microsoft e filantropo que financiou o projeto em sete milhões de dólares (6,3 milhões de euros), citado em comunicado.

Inédito pela sua amplitude, o recenseamento foi efetuado graças ao sobrevoo de 18 países africanos por cientistas e defensores da fauna que contaram o número de elefantes, mortos ou vivos, que observaram.

O objetivo do estudo era criar uma base de dados fiável para o estudo futuro das populações de elefantes, com vista a proteger melhor esta espécie dizimada pelos caçadores furtivos por causa dos seus dentes de marfim.

Paul Allen deseja lançar em breve um estudo semelhante incidindo sobre os elefantes que habitam nas florestas africanas.

"Sabendo que as populações de elefantes estão em queda, partilhamos a responsabilidade coletiva de agir", sustentou Allen, precisando que os resultados do estudo serão publicados por ocasião de uma conferência da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) no Hawai.

O recenseamento começou em dezembro de 2013. Com a ajuda de 81 aviões, 286 participantes efetuaram cerca de 463.000 quilómetros de voo. No total, 352.271 elefantes foram contabilizados, ou seja, menos 30% que a população estimada de 2007.

Esta queda aumentou também de ritmo ao longo dos anos e atinge atualmente 8% por ano, segundo o estudo, que identificou Angola, Moçambique e a Tanzânia como zonas particularmente afetadas pela caça furtiva.

As populações de elefantes que vivem nas savanas do nordeste da República Democrática do Congo (RDC), do norte dos Camarões e do sudoeste da Zâmbia estão, por sua vez, ameaçadas de uma "extinção local".

O estudo mostrou, contudo, que essas populações são estáveis, ou mesmo em crescimento, na África do Sul, no Botsuana, no Uganda, em algumas partes do Quénia, na Zâmbia, no Zimbabué e no Malaui, bem como na reserva W-Arli-Pendjari, que se estende pelos territórios do Benim, da Nigéria e do Burkina Faso.

"Se não conseguirmos salvar os elefantes, que esperança poderá haver para o resto da fauna selvagem africana?", interrogou-se Mike Chase, da organização Elefantes Sem Fronteiras, que dirigiu o recenseamento.

O registo dos elefantes das savanas deve ainda ser efetuado em dois países -- a República Centro-Africana e o Sudão do Sul -- aos quais foi dificultado o acesso pelas crises acompanhadas de combates de que estes países têm sido palco nos últimos anos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...