Ter um cão ajuda a prevenir asma

Crianças que crescem com cães têm menos probabilidade de ter a doença respiratória

Um novo estudo publicado na semana passada vem reforçar uma ideia já avançada em investigações anteriores: a de que ter um cão em casa nos primeiros anos de vida reduz significativamente a probabilidade de que uma criança venha a ter asma.

A investigadora Tove Fall, que liderou a investigação publicada na revista JAMA Pediatrics, explica que foi motivada por estudos anteriores que demonstravam que as crianças que crescem em quintas têm significativamente menos riscos de vir a ter asma. "Queríamos ver se essa ligação também se verificava para crianças que cresciam com cães em casa", afirmou Tove Fall, citada num comunicado.

O estudo da Universidade de Uppsala, na Suécia, analisou a informação de mais de um milhão de crianças, tomando em conta se tinham sido expostas regularmente a cães na infância e se tinham ou não desenvolvido asma. A conclusão? Ter um cão em casa nos primeiros anos de vida diminui em 15 por cento a probabilidade de ter asma.

Os investigadores propõem que a presença dos cães na infância ajude a criar mudanças no microbioma intestinal - os micróbios que vivem nos intestinos humanos - deixando o corpo mais preparado para lidar melhor com certos alergéneos, como o pêlo de cão.

Graças à sua amostra muito grande de mais de um milhão de pessoas, os investigadores puderam mesmo tomar em conta o facto de que a asma tem fatores genéticos. "Pudemos compensar por outros fatores como a presença de asma nos pais, a zona de residência e o estatuto socioeconómico", explicou Tove Fall.

No entanto, os investigadores sublinham que a exposição aos cães deve acontecer antes de as crianças desenvolverem asma ou alergias, e não depois. As pessoas que têm alergias a cães e a gatos devem evitar estar junto desses animais.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.