Noite foi mais calma no combate às chamas

Meios aéreos pesados são esperados às primeiras horas da manhã para fortalecer as operações de combate aos incêndios

O combate aos incêndios foi mais calmo esta noite, mas continuam a existir vários fogos que preocupam os bombeiros e cujo combate vai ser reforçado às primeiras horas de hoje com meios aéreos pesados, segundo a Proteção Civil.

A noite de hoje foi menos violenta que a de quarta para quinta-feira devido à diminuição da intensidade do vento, disse hoje à agência Lusa Carlos Guerra, adjunto de operações da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC). "Em termos de condições meteorológicas foi melhor pois o vento foi mais calmo e permitiu-nos avançar um pouco com as operações de combate, o que não tinha sido possível na noite anterior porque tínhamos estado a fazer defesa das pessoas e habitações", explicou.

Carlos Guerra adiantou que durante a noite os bombeiros conseguiram avançar sobretudo a norte em Viana do Castelo e em Braga com o domínio de alguns incêndios, mas a situação continua "muito preocupante".

"Mantêm-se dois incêndios em Viana do Castelo [distrito], um no concelho de Caminha e outro no de Viana do Castelo que ainda não conseguimos dominar. Pensamos que durante o dia de hoje com a possibilidade de colocar meios aéreos pesados possamos evoluir e dominar estes e os outros incêndios", disse.

Carlos Guerra deu ainda conta de um incêndio que deflagrou perto da 01:00 em Mondim de Basto, no distrito de Vila Real. "Este fogo no Parque Natural do Alvão tem neste momento um conjunto de situações que nos podem vir a causar alguma preocupação e é também aquele onde vamos ter de agir já às primeiras horas do dia com meios aéreos", disse.

O adjunto de operações da ANPC destacou também os quatro incêndios que lavram no distrito de Aveiro e que continuam a "preocupar" os bombeiros.

"Em Águeda temos neste momento 340 operacionais que vamos ter de reforçar de imediato às primeiras horas com meios pesados. Ontem não conseguimos usar os meios aéreos: de manhã por causa do vento e à tarde por causa da má visibilidade", contou. Também por dominar continua o fogo em Arouca, que segundo Carlos Guerra é o que tem maior perímetro e por isso os meios terão de ser reforçados.

"Quero ainda salientar um fogo em Sever do Vouga que surgiu ontem cerca da meia-noite, mas que evoluiu desfavoravelmente às primeiras horas da noite, o que obrigou a colocação de alguns operacionais no terreno e que também está a preocupar-nos", disse.

Quanto ao de Anadia, que na quinta-feira levou à evacuação do hotel do Buçaco, o adjunto de operações disse que tem uma frente ativa com uma extensão de vários quilómetros e cujo combate vai ser também reforçado com meios aéreos.

Carlos Guerra adiantou ainda que durante a noite de hoje ainda houve necessidade de retirar pessoas de algumas povoações no distrito de Aveiro, mas a situação foi mais calma, tendo as populações regressado às habitações. Não há vítimas a registar, apesar dos nossos receios com a intensidade do vento, cujas rajadas chegaram a atingir 70 quilómetros por hora, tivemos apenas intoxicações e ferimentos ligeiros", disse.

Carlos Guerra adiantou ainda que a circulação da Linha da Beira Alta, que na quinta-feira tinha sido suspensa no troço entre Santa Comba Dão e Carregal do Sal, devido a um incêndio, já foi restabelecida.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG