Sociedade
29 março 2022 às 15h55

No futuro, vai morrer-se mais de calor extremo do que de frio

Cientista Mónica Rodrigues explicou que os resultados da investigação evidenciam que, em períodos futuros, "prevê-se um aumento da temperatura, quer no verão, quer no inverno, com maior frequência de ondas de calor, tendo influência na mortalidade".

/img/placeholders/redacao-dn.png
DN/Lusa
/img/placeholders/redacao-dn.png
DN/Lusa