Mulher que manteve filhos em cativeiro mais de 20 anos vai ser internada

Mulher obrigou os filhos a viverem durante 20 anos em condições degradantes, sem cuidados de higiene e alimentação. Foi condenada a internamento entre três a dez anos

A mulher que manteve os filhos em cativeiro durante vários anos numa casa em Alcabideche, Cascais, foi condenada a internamento entre três a dez anos e o marido a oito anos e nove meses de prisão, foi anunciado esta terça-feira.

"O tribunal deu como provado que os arguidos durante mais de 20 anos molestaram física e psicologicamente os dois filhos de ambos, que padeciam de problemas do foro psicológico, e, em data não posterior a 2007, por forma a isolarem-nos do mundo exterior e impedirem que se ausentassem da casa onde residiam, em Alcabideche (...), mantendo-os enclausurados até ao dia 2 de julho de 2015", refere a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL) num comunicado publicado esta terça-feira no seu sítio na internet.

A decisão foi conhecida a 19 de outubro e os arguidos estavam acusados pela prática dos crimes de sequestro qualificado, violência doméstica, ameaça agravada e ofensa à integridade física qualificada.

Durante os 20 anos que estiveram em cativeiro, os filhos do casal "foram obrigados a viver em condições degradantes, sem cuidados básicos de higiene, alimentação e saúde", o que "determinou graves problemas na sua saúde física e mental".

O tribunal considerou ainda provado "que os arguidos por diversas vezes agrediram e ameaçaram vizinhos que tentaram aproximar-se da casa onde residiam, bem como um militar da GNR".

Por considerar que a mulher "à data da prática dos factos era inimputável por anomalia psíquica", o tribunal condenou-a "na medida de segurança de internamento de inimputáveis pelo período mínimo de três e máximo de dez anos".

"A arguida aguarda os ulteriores termos do processo sujeita à medida de coação de internamento preventivo em hospital psiquiátrico", refere ainda.

O acórdão ainda não transitou em julgado.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.