Morreu o sociólogo Paquete de Oliveira

Tinha 79 anos e foi vítima de cancro

Morreu este sábado em Lisboa o sociólogo Paquete de Oliveira, provedor do leitor do Público e ex-provedor do telespectador da RTP.

Ao longo de uma carreira multifacetada, o sociólogo, que foi vítima de cancro, ficou conhecido do grande público quando se tornou comentador residente do programa Casos de Polícia, da SIC, entre 1992 e 1997. A comunicação social foi sempre o seu campo de ação privilegiado, apesar de ter passado as últimas décadas ligado à docência. Jubilara-se do ISCTE em 2006.

O velório de Paquete de Oliveira está a decorrer na Basílica da Estrela. A missa de corpo presente realiza-se domingo, pelas 14.15. O funeral sairá pelas 15.30 para o cemitério dos Olivais, onde o corpo será cremado.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou a morte de Paquete de Oliveira, sublinhando que é "uma perda para a comunidade académica e para o mundo da comunicação social portuguesa". "Paquete de Oliveira deixa um contributo incontornável no jornalismo, na universidade, na investigação relativa aos 'mass media'", refere a mensagem publicada no site da Presidência da República.

Madeirense, natural do Funchal, José Manuel Paquete de Oliveira iniciou a carreira como jornalista em 1959 na ilha natal; entrou na redação do Jornal da Madeira aos 23 anos, como padre e chefe de redação. "Tive grandes problemas com a censura", disse ao DN quando deixou o último dos seus cargos públicos, como provedor do espectador da RTP, em abril de 2011. Na Madeira, começara no jornalismo num período conturbado e, com o arranque do Concílio Vaticano II, foi rapidamente desviado para Roma, em Itália, onde frequentou a Universidade Gregoriana. Estudou sociologia, um curso que, à data, não existia sequer em Portugal.

Regressou a Portugal só em janeiro de 1974. Desvincula-se da igreja e, depois do 25 de abril, preparava-se para embarcar para o Brasil com uma bolsa do Banco Mundial. Mas acabou por regressar aos jornais: dirigiu o Diário de Notícias da Madeira durante o PREC (Período Revolucionário em Curso) e chegou a admitir que, na altura, fora considerado "um perigoso comunista".

Dois anos depois, em 1976, demitiu-se do jornal e mudou-se para Lisboa. Foi nessa altura que entregou a carteira profissional e iniciou uma vida sempre ligada à docência. Primeiro no Ministério da Educação, depois no Instituto de Ciências Sociais e Políticas e no Instituto Superior de Economia, mais tarde no ISCTE e também no Centro de Estudos Judiciários. Porém, nunca deixou os jornais: escreveu para o Expresso, Jornal de Notícias, Diário de Notícias e para o Diário de Lisboa, entre outros.

Na sua "nova vida social" em Lisboa - como a descrevia - acabou por ser considerado para o cargo de provedor do espectador da RTP devido ao extenso currículo, que aliava o exercício profissional com o percurso académico. "Foi o meu último exame oral", disse ao DN, recordando a prova após a qual assumiu o cargo. Estávamos em 2006. Deixou a RTP em 2011 mas, apesar de manifestar a vontade de passar nessa altura "a acordar sem agenda", aceitou o convite do Público e, em 2013, tornou-se o provedor do leitor do jornal, assinando todas as semanas uma crónica naquele diário.

Paquete de Oliveira era casado com Céu Neves, grande repórter do Diário de Notícias, e pai de dois filhos.

Com Susete Francisco

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.