Morreu a historiadora Maria de Fátima Patriarca

A investigadora jubilada do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa tinha 72 anos

A historiadora Maria de Fátima Patriarca, autora de obras como "A questão social no Salazarismo" e "Sindicatos contra Salazar", morreu hoje em Lisboa, disse à Lusa fonte do Instituto de Ciências Socais (ICS), da Universidade de Lisboa.

Segundo a mesma fonte, o velório da historiadora, que era investigadora jubilada do ICS, realiza-se no sábado na basílica da Estrela, de onde sairá o funeral no domingo de manhã.

Maria de Fátima Patriarca nasceu em 1944 na freguesia de Couço, no concelho ribatejano de Coruche, Maria de Fátima Patriarca licenciou-se pelo Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa, em 1967, e licenciou-se em Sociologia pelo Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa em Lisboa, em 1990.

Apresentou a dissertação para agregação como investigadora do ICS sob a orientação de Adérito Sedas Nunes, que versava o "Processo de implantação e lógica e dinâmica de funcionamento do Corporativismo em Portugal -- os primeiros anos do Salazarismo e com a prova complementar Sindicatos e luta social no regime corporativo -- dos anos 50 a 1974".

No ICS, com a investigadora Maria Filomena Mónica criou o Arquivo Histórico das Classes Trabalhadoras, do qual foi responsável científica entre 1999 e 2005. Entre outras funções, e segundo informação na página do ICS na Internet, fez parte do Conselho de Redação da revista Análise Social e da Imprensa de Ciências Sociais sob a direção de António Barreto.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.