Miradouro de Monsanto fechou 15 dias depois de abrir para limpeza de graffitis

Antigo restaurante panorâmico é desde 2 de setembro um miradouro oficialmente reconhecido

O miradouro do antigo restaurante panorâmico de Monsanto está encerrado desde o início da semana para "nova limpeza de graffiti", reabrindo na próxima quinta-feira ao final do dia, esclareceu fonte da Câmara de Lisboa em declarações à agência Lusa.

O antigo restaurante panorâmico de Monsanto é desde 2 de setembro um miradouro oficialmente reconhecido, com horários de abertura e encerramento. No entanto, constatou a Lusa no local, hoje à tarde estava encerrado.

Contactada pela Lusa, fonte da Câmara Municipal de Lisboa esclareceu que o miradouro "fechou no início da semana e reabre amanhã [quinta-feira] ao final do dia", porque "foi necessário fazer uma nova limpeza de graffiti".

O observatório, construído no Parque Florestal de Monsanto em 1968 e que permite uma vista panorâmica sobre Lisboa, está abandonado desde 2001, ano em que encerrou o restaurante que ali funcionava.

Ao longo dos anos, e apesar da degradação, o edifício foi sendo utilizado por muitos como miradouro. Prova disso são fotografias partilhadas nas redes sociais.

Durante o verão, a Câmara de Lisboa realizou "trabalhos de remoção de todo o material degradado ou em risco de queda (tetos falsos, tubagens, estruturas metálicas), limpeza de entulhos, lixos e graffiti, e de colocação de gradeamentos e execução de emparedamentos por forma a possibilitar o acesso e a livre circulação de pessoas em condições de segurança".

As obras "terminaram no final de agosto" e o acesso ao miradouro pode ser feito entre as 09:00 e as 19:00 até 30 de setembro. Entre 01 de outubro e 31 de março, o acesso será feito entre as 09:00 e as 18:00.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.