Médicos fazem greve se Governo não responder às reivindicações

Reunião entre ministério da saúde e sindicatos médicos marcada para dia 11 será decisiva

Os médicos admitem avançar com uma nova greve nacional se o Ministério da Saúde não apresentar no dia 11 deste mês, data da próxima reunião entre o ministérios e os sindicatos, propostas concretas às reivindicações que passam sobretudo por três pontos: a redução do número de utentes por médico de família, a passagem das 18 para as 12 horas de urgências semanais e a diminuição de 200 horas extraordinárias anuais para 150, tal como os restantes funcionários públicos.

Reivindicações, lembram os sindicatos, que estão a ser negociadas há mais de um ano e que foram alguns dos motivos que estiveram na origem da greve que aconteceu em maio. Secretário de Estado da Saúde disse esta semana o ministério irá apresentar uma proposta para negociação.

O anúncio foi feito esta terça-feira, depois de os sindicatos, Ordem dos Médicos, associações dos médicos de família, de saúde pública e dos estudantes de medicina se terem reunido no Fórum Médico. "A reunião de 11 de agosto assume a importância do tudo ou nada. Se a 11 de agosto sairmos do Ministério da Saúde sem a resolução integral dos problemas que levaram à greve de maio, não temos outra solução senão articular, entre as estruturas sindicais, uma nova greve nacional", disse Mário Jorge Neves, presidente da Federação Nacional dos Médicos (FNAM).

Mensagem reforçada pelo secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), Jorge Roque da Cunha: "Estamos a ser empurrados para uma greve. Solicitámos em tempo, de forma faseada até ao final da legislatura, a solução dos problemas, como a redução da carga laboral sobre os médicos".

Após a apresentação do novo hospital Lisboa Oriental, que aconteceu na manhã desta terça-feira, o secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado disse o ministério está estudar o caderno reivindicativo dos médicos e que "esta semana" vão apresentar uma proposta negocial. "São questões com impacto na vida dos doentes e financeiro", salientou.

Promessa que não convence os dois sindicatos médicos. "Há uma falta de palavra e de confiança no Ministério da Saúde. São questões que estão em negociação há ano e meio. Em maio tivemos uma greve nacional, em que cerca de 90% dos médicos participaram. O Governo foi questionado no Parlamento e até hoje não houve qualquer contraproposta", destacou Jorge Roque da Cunha.

Sobre a questão do impacto financeiro que algumas medidas terão - argumento usado pelo ministério sobre a dificuldade nas negociações -, Mário Jorge Neves lembrou que os sindicatos apresentaram propostas "faseadas em três datas até ao final da legislatura para a diminuição da lista de utentes por médico de família - passando dos 1900 para os 1550 que estavam definidos antes da troika -, para a passagem das 18 para as 12 horas de urgência semanais e diminuição das 200 horas extraordinárias por ano para 150. Nem mesmo assim tem havido disponibilidade do Ministério da Saúde para acolher qualquer plataforma de entendimento".

A decisão que vier a ser tomada tem o apoio da Ordem dos Médicos. "Caso as negociações não se traduzam a curto prazo em resultados inequivocamente positivos, as organizações sindicais médicas estão preparadas para desencadearem os adequados mecanismos legais de convocação de uma nova greve nacional dos médicos", disse o bastonário Miguel Guimarães, referindo que outra das formas de luta dos clínicos será a denúncia pública de situações em que o SNS não esteja a responder de forma eficaz às necessidades dos utentes e os profissionais de saúde.

"Há uma deficiência grave de capital humano, as unidades periféricas estão cada vez mais piores em relação aos centros urbanos, os jovens médicos estão a sair cada vez mais do país e para o privado. Estamos a perder capacidade de inovação. O SNS está em decadência e temos de recuperar um SNS que dá resposta apenas a 60% da população, que os outros 40% pagam do seu bolso através de seguros de saúde ou outro subsistema", acrescentou o bastonário.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...